O fecho das portas desta comunidade traria muitos dissabores aos utentes

Com o final do SOLIS deveria encerrar o funcionamento do CAT Casa Azul em Cesar Oliveira de Azeméis. Isso implicaria que os 12 utentes que estão instalados nesta casa acolhedora ficariam sem um tecto ou na melhor das hipóteses teriam que ser encaminhados para outras instituições o queiria destruir os alicerces emocionais que a equipa do CAT ajudou a construir criando umaespécie de comunidade terapêutica. Teriam de deixar este centro acolhedor onde se sentem bem.

 “As instalações do centro pertencem à DIANOVA e desde o início do seu funcionamento teve sempre lotação esgotada”, refere Gracinda Leal. Não parece assim que os serviços que lá são prestados se possam dispensar. Não há PEC que desculpe essa decisão.

A autarquia não baixou os braços e já propôs à segurança social um acordo mas segundo a vereadora Gracinda Leal ainda não obteve resposta. Ainda assim a edil acredita que o CAT,com capacidade para 16 utentes,que acolhe essencialmente vítimas de violência doméstica, desalojados e sem abrigo se manterá com as portas abertas.

Só através de um acordo com o Centro Distrital de Aveiro da Segurança Social se poderá dar continuidade ao projecto mantendo os postos de trabalho de sete tecnicos. Diário de Aveiro

+Ler notícia: http://www.mynetpress.pt/pdf/2010/julho/20100725213295.pdf

Anúncios

Convite Sessão Encerramento Projecto SOLIS

Hermínio Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, e Cristina Lizarza, Presidente da Associação Dianova Portugal, têm o prazer de convidar V/ Ex.ªs a participar na Sessão de Encerramento do Projecto de Desenvolvimento Sócio-comunitário SOLIS 2005-2010, que se realizará amanhã dia 28 de Julho pelas 10h00 na Biblioteca Ferreira de Castro, em Oliveira de Azeméis.

Durante a Sessão, irão ser facultados testemunhos de Balanço pelos Técnicos afectos às diversas actividades, bem como por parte de alguns Beneficiários deste projecto. A Sessão será encerrada com os Discursos oficiais das entidades Promotora (CM OAZ), Executora (Dianova) e Financiadora (ISS, IP).

Nestes 6 anos foram beneficiadas +3.600 Pessoas (Crianças, Jovens, Adultos e Idosos), mediante um investimento total de 1,180 milhões de Euros.

Esperamos poder contar com vossa presença.

+Ver site Dianova: http://www.dianova.pt

+Ver site CM OAZ: http://www.cm-oaz.pt

Dianova: ONG com Estatuto Consultivo Especial junto do Conselho Económico e Social das Nações Unidas (ECOSOC/UN) para as áreas da Educação, Juventude e Toxicodependência, membro do Vienna NGO Committee on Narcotic Drugs (VGNOC) e signatária da European Action On Drugs (EAD).

Projecto Solis pode fechar em Oliveira de Azeméis

O Centro de Alojamento Temporário CAT de Oliveira de Azeméis, a funcionar nas antigas instalações da Casa Azul (Dianova) em Cesar que durante anos acolheu toxicodependentes em reabilitação, poderá encerrar caso a Segurança Social não dê continuidade ao projecto (de desenvolvimento sócio-comunitário) SOLIS que termina em Agosto deste.

O CAT foi criado no ano âmbito de uma candidatura aprovada em 2005 ao programa Progride e entrou em funcionamento em Abril de 2006 para dar resposta a situações de emergência social. Neste momento, o espaço acolhe 16 pessoas adultos e crianças vítimas de violência doméstica, em situações de pobreza ou exclusão social desalojados entre outros casos.

A câmara local promotora do projecto social está preocupada com o destino dos inquilinos do CAT e já deu conhecimento do assunto ao presidente do Instituto da Segurança Social Edmundo Martinho em Março deste ano. Seguiu-se uma exposição por escrito e outro contacto com a responsável pela Segurança Social de Aveiro há mais de um mês. Até ao momento não há respostas e a autarquia está apreensiva.

Caso o apoio não chegue, a alternativa poderá passar por a autarquia apoiar a Dianova Portugal, entidade executora do projecto social, para que o SOLIS não termine. Público

+Ler notícia: http://www.mynetpress.pt/pdf/2010/junho/20100614209d9d.pdf

Investigação sobre a vida dos pobres em Lisboa é apresentada hoje

Nem o trabalho tirará alguns da pobreza.

A pobreza é o traço mais característico da população assistida pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa que, neste concelho, substitui a Segurança Social na administração das políticas de acção social: 85% vive abaixo do limiar da pobreza e muitos não viriam à tona com emprego. A caracterização foi feita por uma equipa de investigadores do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa e do Centro de Estudos de Serviço Social e Sociologia da Universidade Católica. O estudo é apresentado hoje de manhã, na conferência “Ser pobre em Lisboa: Reinventar
as políticas sociais”. Jornal Público
+Ler notícia: http://www.publico.pt/Local/nem-o-trabalho-tirara-alguns-da-pobreza_1439793