Comunidades Terapêuticas de Tratamento das Toxicodependências na Europa | Evidências, Práticas correntes e Desafios futuros

Nos anos 60 e, com o problema crescente do consumo de drogas na Europa, surgiram as Comunidades Terapêuticas com o intuito responder à necessidade de tratamento de pessoas com problemas de toxicodependência (drogas ilícitas e lícitas como álcool). Nesta época o problema do consumo de drogas estava a crescer e os meios para o combater eram escassos e limitados, não havendo a oferta necessária para ajudar os consumidores.

 

Hoje, os consumidores de droga têm acesso a uma grande variedade de tratamentos terapêuticos que, efetivamente, os ajudam a deixar o consumo, com evidências comprovadas por diversos estudos. Isto permitiu que as comunidades terapêuticas desenvolvessem técnicas e estratégias de tratamento profissionalizadas, o que também fez com que se deparassem com novos caminhos. Assim sendo, as comunidades terapêuticas enfrentam hoje novos desafios, que em nada se relacionam com os dos anos 60, nomeadamente em relação ao tipo de tratamentos metodológicos e integrados a serem aplicados, tendo em conta o aumento do tipo de drogas que hoje estão disponíveis para consumo. Com o aparecimento destas novas drogas e com a própria reflexão acerca dos diversos tipos de tratamentos, surge também um novo olhar crítico sobre estas e outras questões.

 

Nesta sequência, o EMCDDA | OEDT (Observatório Europeu da Droga e Toxicodependência, agência europeia sedeada em Lisboa) considerou a necessidade e a relevância de estudar e analisar os desafios, presentes e futuros, enfrentados pelas comunidades terapêuticas. Aliando fatores históricos, este estudo apresenta dados sobre a evolução, a eficácia dos tratamentos adotados e ainda o seu impacto do ponto de vista social.

 

Leia o Estudo em: http://www.emcdda.europa.eu/attachements.cfm/att_226003_EN_TDXD14015ENN_final.pdf

Imagem

 

Fonte (Foto): https://www.facebook.com/photo.php?fbid=595812393840125&set=pb.147305772024125.-2207520000.1398674882.&type=3&theater

 

 

 

RELATÓRIO EUROPEU SOBRE DROGAS 2013 – RESPONDER AO PROBLEMA DAS DROGAS

Níveis recorde de tratamento, mas persiste a necessidade de investir em novas intervenções e na reintegração social

28.5.2013, LISBOA, Entre as mudanças positivas observadas no panorama europeu em matéria de droga contam se níveis recorde de oferta de tratamento aos toxicodependentes na Europa, afirma o Relatório Europeu sobre Drogas 2013: Tendências e evoluções, hoje publicado em Lisboa pela agência da UE de informação sobre droga (EMCDDA). No entanto, a agência adverte que os serviços de tratamento têm ainda de superar desafios consideráveis. Embora o número de consumidores de heroína que iniciam o tratamento pela primeira vez continue a diminuir, a natureza dos problemas a longo prazo associados ao consumo de heroína significa que muitos destes utilizadores irão necessitar de ajuda nos próximos anos. A agência sublinha que, face ao elevado número de consumidores de droga que se encontram actualmente em contacto com os serviços, torna-se cada vez mais necessário privilegiar a continuidade dos cuidados, a reintegração social e a negociação de um consenso sobre que resultados, realistas e a longo prazo, podem ser considerados relativamente ao processo de recuperação. Entre as questões hoje em destaque encontra-se a necessidade de investir em novos tipos de intervenções, como as que se destinam a tratar a hepatite C e a prevenir as overdoses. Uma mensagem que o relatório transmite com particular ênfase é que o tratamento da toxicodependência será provavelmente, uma opção política eficaz em termos de custos, mesmo em tempos de austeridade económica.

O Relatório Europeu sobre Drogas 2013 (disponível em 23 idiomas) e “Perspetivas sobre as drogas” (Perspectives on drugs/POD) (inglês) podem ser consultados em http://www.emcdda.europa.eu/edr2013.

1 de Junho: Dia Internacional da Criança

Children’s voices — experiências e percepções de crianças sobre drogas e álcool

O EMCDDA (Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência http://www.emcdda.europa.eu) lança hoje uma colecção de narrativas de crianças sobre temáticas relacionadas com o uso de drogas, como forma de [pre]comemoração do Dia Internacional da Criança a 1 de Junho.

O consumo de álcool e drogas pode ter um profundo impacto na vida das crianças. A Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (http://www.unicef.pt/docs/pdf_publicacoes/convencao_direitos_crianca2004.pdf) afirma que as crianças devem poder ser capazes de expressar os seus pontos de vista em temáticas relacionadas com as suas vidas.

O objectivo da colecção Children’s voices (http://www.emcdda.europa.eu/attachements.cfm/att_102555_EN_TP_ChildrenVoices.pdf) é disponibilizar um canal para essa expressão e oferecer significado e conhecimento sobre tópicos chave de drogas e álcool que afectam as crianças.

Actualmente na Europa à volta de 60.000 crianças deverão viver com pessoas que se encontram em tratamento de toxicodependência. E muitas mais viverão com pais que consomem drogas e não estão afectas a nenhum serviço de tratamento.