RELATÓRIO EUROPEU SOBRE DROGAS 2013 – RESPONDER AO PROBLEMA DAS DROGAS

Níveis recorde de tratamento, mas persiste a necessidade de investir em novas intervenções e na reintegração social

28.5.2013, LISBOA, Entre as mudanças positivas observadas no panorama europeu em matéria de droga contam se níveis recorde de oferta de tratamento aos toxicodependentes na Europa, afirma o Relatório Europeu sobre Drogas 2013: Tendências e evoluções, hoje publicado em Lisboa pela agência da UE de informação sobre droga (EMCDDA). No entanto, a agência adverte que os serviços de tratamento têm ainda de superar desafios consideráveis. Embora o número de consumidores de heroína que iniciam o tratamento pela primeira vez continue a diminuir, a natureza dos problemas a longo prazo associados ao consumo de heroína significa que muitos destes utilizadores irão necessitar de ajuda nos próximos anos. A agência sublinha que, face ao elevado número de consumidores de droga que se encontram actualmente em contacto com os serviços, torna-se cada vez mais necessário privilegiar a continuidade dos cuidados, a reintegração social e a negociação de um consenso sobre que resultados, realistas e a longo prazo, podem ser considerados relativamente ao processo de recuperação. Entre as questões hoje em destaque encontra-se a necessidade de investir em novos tipos de intervenções, como as que se destinam a tratar a hepatite C e a prevenir as overdoses. Uma mensagem que o relatório transmite com particular ênfase é que o tratamento da toxicodependência será provavelmente, uma opção política eficaz em termos de custos, mesmo em tempos de austeridade económica.

O Relatório Europeu sobre Drogas 2013 (disponível em 23 idiomas) e “Perspetivas sobre as drogas” (Perspectives on drugs/POD) (inglês) podem ser consultados em http://www.emcdda.europa.eu/edr2013.

Conferência “O Estado livre da droga e a droga livre do Estado”

Conferência “O Estado livre da droga e a droga livre do Estado” é o tema que reúne médicos, juristas e poder político, organizado pela APLD, dia 2 de fevereiro, 09h30, Auditório Montepio, Rua do Ouro 219, Lisboa. Entrada livre R.S.F.F. 926 204 584.

PROGRAMA

09h30 – 10,00    Abertura – Professor Doutor António Rendas e Prof. Dr. Manuel Pinto Coelho

1º PainelPolítica(s), Economia e Saúde

10h00 – 10h20   Professor Doutor Miguel Beleza

10h20 – 10h40   Dr. Rui Moreira

10h40 – 11h00   Professor Doutor Carlos Amaral Dias

Moderadora | Sandra Felgueiras

 

11h30 – 11h45      Coffee break

 

2º PainelEducação e Cultura para a Reinserção

11h45 – 12h05   Prof. Doutor Manuel Coutinho

12h05 – 12h25   Dr. Carlos Fugas

12h25 – 12h45   Prof. Doutor Carlos Mota Cardoso

Moderadora | Clara de Sousa

 

13h15 – 14h15 Almoço

 

3º PainelJustiça, Sociedade e Família

14h15 – 14h35   Juíz Desembargador Rui Rangel

14h35 – 14h55   Monsenhor Feytor Pinto

14h55 – 15h15   Pedro Abrunhosa

Moderadora | Ana Catarina Santos

 

15h45 – 16h00    Coffee break

 

4º PainelUniversidades e Voluntariado na Prevenção

16h00 – 16h20   Fernando Dacosta

16h20 – 16h40   Dra. Isilda Pegado (Federação Portuguesa pela Vida)

16h40 – 17h00   Dr. Mário Donas

Moderadora | Teresa Maia

 

17h00 – 17h30    Debate

17h30 – 18h00    Apresentação das Conclusões | Juiz Desembargador Rui Rangel | Prof. Doutor Manuel Pinto Coelho

 

Encerramento | S.E. o Ministro da Saúde

Certificado membro Dianova na EFTC European Federation of Therapeutic Communities

Certificado SGS – ICS do Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 na CTQL Dianova Portugal

View more documents from Dianova Portugal.

Dianova participa na XXV Conferência WFTC 2010 “The future of TC in the Changing World”

Como novo membro da European Federation of Therapeutic Communities, a Dianova Portugal irá participar na Conferência “The future of TC in the Changing World 2010”. que se realiza de 14 a 18 de Outubro, em Génova, Itàlia.

Organizado pela World Federation of Therapeutic Communities e Centro de Solidarietá di Genova, a IV WFTC Genoa Institute 2010 irá reunir mais de 200 especialistas a nível mundial para debater o modelo actual de Comunidade Terapêutica (programa individualizado de tratamento residencial de longa duração para pessoas com problemática de dependência de substâncias psicoactivas / drogas) e como orientá-lo à luz das mudanças sociais actuais e futuras.

Comunidades Terapêuticas de 42 paíse dentro da WFTC têm um objectivo comum: ajudar homens e mulheres a deixarem o consumo abusivo de drogas, focalizando-se nas necessidades do indivíduo, actividades de grupo e envolvimento familiar.

A Conferência divide-se em 2 partes:

1) os primeiros 3 dias de Workshops irão explorar os desafios actuaisi e os possíveis desenvolvimentos do conceito Comunidade Terapêutica, focalizando-se nas alterações dos padrões de consumo e de consumidores, eficácia do modelo e interacção com os territórios / comunidades.

2) o quarto dia, aberto a toda à sociedade em geral, será dedicado à apresentação de resultados obtidos nos primeiros 3 dias, com a presença de cidadãos e organizações italianas e internacionais e representatntes do Departamento Nacional da Política Anti-drogas.

Para mais informações visite o site: http://www.wftcinstitute2010.org/english/index.html

Dianova nomeada pela Comissão Europeia Coordenadora Nacional da European Action On Drugs

Na sequência da assinatura como nova signatária da campanha European Action On Drugs (EAD), a 25 de Junho último em Bruxelas, sob a coordenação da Direcção-Geral de Justiça da Comissão Europeia, a Dianova foi nomeada a nova Coordenadora Nacional para Portugal desta campanha que se encontra a ser implementada desde 2009 nos 27 Estados membro num total de 708 iniciativas (http://www.action-drugs.eu) nos 27 Estados membro, dos quais 21 em Portugal, 10 na União Europeia e 677 nos restantes Estados membro.

Conjuntamente com a Dianova, tornaram-se 25 novas signatárias da EAD empresas como a SNCF – Societé Nationale dês Chemins de Fér Français, Departamento de Prevenção e Saúde no Trabalho (França) e SMEC – Sports Media & Entertainment Corporation (Chipre), entidades públicas como o Departamento de Controlo de Drogas do Governo Lituano (Lituânia), e Tribunal de Tratamento de Toxicodependência de Dublin (Irlanda), escolas como o Gymnázium Biliková (Eslováquia), Media como a TVR1 a estação de televisão nacional (Roménia), Redes Sociais  como o Netstof.dk (Dinamarca), celebridades como Daniel Depienne (Luxembrugo), indivíduos como Mathew Bonnet (Malta), Elizabeth Burton-Philips (Reino Unido), Max Cegielski (Polónia) e ONG como Proyecto Hombre (Espanha) e International Healthcare and Health Insurance Institute ((Bulgária).

O Compromisso da Dianova

Acreditando que, com a ajuda adequada, cada pessoa pode encontrar em si mesma os recursos para alcançar o seu desenvolvimento pessoal e integração social, como contribuição para a campanha EAD a Dianova assumiu o Compromisso de ajudar as pessoas a abandonar o consumo problemático de substâncias psicoactivas lícitas e ilícitas (drogas e álcool) e favorecer a sua reintegração social, bem como promover acções de educação e promoção de saúde sobretudo junto dos mais jovens.

Para atingir estes objectivos, a Dianova propôs-se proactivamente a incrementar a percepção social do risco associada ao consumo e abuso de drogas através dos Media, Redes Sociais, Eventos e Campanhas de Sensibilização junto de dois grupos alvo: jovens e jovens-adultos em meio comunitário e escolar, estimando impactar mais de 5.000 pessoas; e Organizações (Públicas, Privadas e Universidades) e Personalidades de relevo da sociedade portuguesa através de iniciativas de Marketing Social e Responsabilidade Social Corporativa, estimando impactar mais de 30.000 Pessoas no território português (Continente e Ilhas). A Dianova comprometeu-se ainda a promover a EAD junto da rede internacional Dianova e do Vienna NGO Committee On Narcotic Drugs, das quais é membro.

As Responsabilidades enquanto Coordenadora Nacional

Como Coordenadora nacional, a Dianova será responsável pela promoção e comunicação da European Action On Drugs junto de Organizações e Pessoas individuais, encorajá-las a envolver-se activamente com a campanha a nível nacional, regional ou local, facultar aos potenciais novos signatários aconselhamento e guidelines que facilitem a sua adesão, disponibilização de materiais promocionais, rever as novas adesões e validá-las, submetendo à aprovação final da Comissão Europeia, avaliar e reportar resultados à Comissão Europeia.

Quem e Porquê aderir à European Action On Drugs?

Através da European Action On Drugs a Comissão Europeia – Direcção-Geral de Justiça convida as autoridades nacionais e locais, instituições, órgãos governamentais, regiões, autarquias, escolas e universidades, institutos de monitorização e pesquisa, órgãos de comunicação social, organizações da Sociedade Civil e da Economia Solidária, empresas, personalidades de relevo, celebridades e indivíduos em geral a aderirem a esta campanha, mediante o envolvimento e efectivação de um compromisso concreto que ajude a fazer a diferença e contribuía para uma mudança social positiva.

Todos os compromissos (Organização ou Pessoa signatária) terão uma elevada visibilidade junto da Comissão Europeia em todos os 27 Estados membro e das potenciais redes europeias e internacionais promovidas pelos mesmos.

Aderir à EAD representa, em última instância, a assumpção de um compromisso simples, concreto e mensurável, e um envolvimento prático na acção de sensibilizar jovens e adultos para os riscos do uso/abuso de drogas, de enaltecer o potencial devastador a nível económico e social desta problemática multi-dimensional, realizar projectos de prevenção ou tomar uma posição responsável ante as drogas, álcool e abuso de medicamentos.

Como signatária, receberá um kit personalizado contendo: Certificado European Action On Drugs com o seu compromisso detalhado, Placa EAD em reconhecimento do apoio à campanha e um CD-ROM contendo materiais promocionais.

Faça parte desta plataforma europeia de comunicação e partilha de boas práticas, torne-se signatária/o da European Action On Drugs.

Para mais informações visite os sites:
+European Action On Drugs: http://www.action-drugs.eu
+Direcção-Geral Justiça da Comissão Europeia: http://ec.europa.eu/justice/policies/intro/policies_intro_en.htm
+Dianova: http://www.dianova.pt

A Dianova – Intervenção em Toxicodependências e Desenvolvimento Social, Instituição Particular de Solidariedade Social e Associação de Utilidade Pública de âmbito nacional e sem fins lucrativos, com sede na Quinta das Lapas, Monte Redondo TVD, tem as suas áreas de intervenção licenciadas e protocoladas pelo Instituto da Droga e Toxicodependência, Instituto da Segurança Social, Instituto de Emprego e Formação Profissional e Direcção-Geral do Emprego e Relações no Trabalho.

Fruto do nosso desenvolvimento organizacional e cooperação, eis o resultado do nosso Impacto Social nas múltiplas áreas de intervenção a nível de educação, capacitação, social e saúde: entre 2007 e 2009 beneficiámos 7.818 Pessoas (jovens, adultos e seniores) 1.113 Pessoas em 2007, 2.041 Pessoas em 2008 e 4.664 Pessoas em 2009.

“Como as drogas, acabava por ser uma forma de distanciar-me das pessoas”

Excerto da entrevista a Filipe Faísca, estilista português, publicada na revista Única – Expresso, 21-08-2010, onde assumiu de forma franca e sensibilizadora o seu passado com consumos de droga – cocaína – e álcool.

Mas chegou um momento em que disse chega. Porquê

Percebi que tinha batido no fundo, que estava a ultrapassar os meus limites. Foi rápido. Toquei numa zona muito quente mas não me queimei. Sobretudo temi a questão da minha sanidade mental. Esses são processos de grande sofrimento.

Pediu ajuda?

Sim. As drogas criam uma solidão enorme. É precisamente o contrário do que se quer: consumimos para pertencer ao mundo. Sobretudo a minha droga de eleição, a cocaína. Fala-se imenso, sentimo-nos iluminados. Há uma sensação de clarividência.

Dava-lhe força para criar?

Não, tirava-me imensa energia. Eu queria comunicar e socializar, mas sentia-me cada vez mais isolado. E distanciado de mim, o que é um grande problema.

Foi complicado voltar a ter disciplina?

É um processo de aprendizagem. Eu não sabia o que eram os sentimentos, a diferença entre ansiedade e angústia, o que era raiva ou auto-estima. Devíamos aprender isso no liceu.

Viu pessoas que não pararam?

Sim, foi o pior. Tive amigos que morreram neste processo. É mais violento do que lidar com o seu próprio crescimento: lidar com pessoas que não querem parar.

É preciso ter vigilância diária?

Sim, mas já voltei a beber álcool. O problema é perceber que quando ligamos o prazer à culpa cria-se uma dialéctica explosiva. Mas eu já consegui desculpabilizar o meu álcool.

E voltou à droga?

Nunca mais lhe posso tocar. Mas atenção: o álcool é a droga mais perigosa, por ser a mais acessível e a mais socialmente aceite. Está ali ao lado – e os danos causados pelo álcool são dramáticos.

(…) é uma doença. Mas, sempre que me perguntarem sobre este tema, vou falar honestamente, para alertar as pessoas.