SGS confirma Manutenção da Certificação da Qualidade da Comunidade Terapêutica Quinta das Lapas

Pioneira em Portugal na implementação do Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 e na respectiva obtenção de Certificação pela SGS desde 2005, chancela de garantia da excelência de serviço na área da saúde alcançada e reiterada anualmente através de auditorias de fiscalização por uma entidade externa idónea a nível nacional e internacional (SGS), a Comunidade Terapêutica Quinta das Lapas, localizada em Monte Redondo – Torres Vedras, acaba de receber a confirmação por parte da SGS da Manutenção da Certificação do seu Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001:2008.

É de salientar que nos dois últimos anos consecutivos a CTQL mantém os alcançados 100% a nível da Satisfação de Cliente e de Recomendação do Serviço, dimensões críticas da positiva percepção pública e privada da excelência do serviço prestado, com programas residenciais de curta e longa duração para tratamento das toxicodependências lícitas (álcool) e ilícitas, com uma Equipa Multi e Interdisciplinar 24×7 (composta por Psiquiatra, Médico de Clínica Geral, Psicopedagogo, Psicólogos, Educadores Sociais, Técnico de Reinserção Social, Animadores Socioculturais, Monitores, Assessor Jurídico, Vigilantes e Pessoal Auxiliar).

Obrigado a todos os Clientes-Utentes e suas Famílias, bem como ao Sistema de Saúde nacional (com o qual mantém relações de proximidade e de respectivo licenciamento) pelo voto de confiança depositado na Comunidade Terapêutica Quinta das Lapas!

Anúncios

IDT acompanhou mais de 17 mil consumidores de droga e álcool em 2011

 

No ano passado 17.186 consumidores de droga e álcool foram acompanhados por equipas de reinserção do Instituto da Droga e Toxicodependência [recentemente extinto]. Mais de 7 mil estavam em planos individuais de inserção. Estes dados constam do Relatório de Monitorização das Intervenções de Reinserção do IDT de 2011.

“Conhecer melhor a realidade dos utentes [em processo de reinserção] e aferir as efectivas necessidades e a capacidade de resposta que o IDT e os parceiros apresentam”. São estas as coordenadas deste relatório, que monitorizou no terreno áreas como a habitação, a educação, a formação profissional, o emprego, o acesso a serviços públicos e de proximidade, a ocupação de tempos livres, a intervenção familiar e o contexto socioterapêutico.

Segundo o documento disponível no site do IDT, em 2011 o número de consultas aumentou em todas as regiões de Portugal continental, à excepção Alentejo [o relatório não contempla a monitorização nos Açores e na Madeira]. Foram realizadas 81.750 consultas em Centros de Resposta Integrada, em Comunidades Terapêuticas e em Unidades de Alcoologia (UA), mais 7% do que no ano anterior. Dos 45.863 utentes activos do organismo público, as equipas de reinserção do IDT acompanharam 37%, exactamente 17.186.

 

Retrato panorâmico do acompanhamento em Portugal continental

Em 2011 o IDT contabilizou 15064 consumidores acompanhados nos Centros de Resposta Integrada do país, perto de metade na zona Norte (7142). Seguem-se, por ordem decrescente de casos de assistência regular, a zona Centro (3354), a região de Lisboa e Vale do Tejo (3028), o Algarve (823) e o Alentejo (717). Por sua vez, foram identificados 321 eventos de assistência de reinserção em Comunidades Terapêuticas. Já nas Unidades de Alcoologia estavam a serem acompanhados 2122 utentes, a maioria na região Centro (1314), seguindo-se o Norte (796) e região de Lisboa e Vale do Tejo (12). Este último número poderá ser justificado, segundo o relatório, pela “redução dos técnicos afectos à área de missão da reinserção”.

A implementação do chamado Modelo de Intervenção em Reinserção  linhas orientadoras para a intervenção social, criadas em 2009 – era em 2011 uma realidade em 95% dos serviços locais do IDT, tendo resultado na contratualização de planos individuais de inserção, abrangendo 7.509 utentes em acompanhamento. Em 2010 eram menos de metade (3.433). O relatório dá conta ainda que 44% dos utentes que são acompanhados pela reinserção têm um plano individual de inserção em vigor, estando a maioria destes a Norte e no Centro.

 

Necessidades de emprego e habitação

Na área laboral, o IDT diagnosticou no ano passado 4.246 necessidades junto de consumidores de substâncias ilícitas e de 1.339 dos consumidores de álcool acompanhados, números inferiores aos registados em 2010.

O rácio de satisfação das necessidades foi de 38%, a mesma percentagem de 2010. Foram registadas 2.140 integrações em respostas de emprego, sendo que mais de metade se enquadra no “mercado normal de trabalho”, sem recurso a programas de emprego protegido. 1.247 destas integrações aconteceram ao abrigo do programa “Vida-Emprego”.

O relatório indica ainda que menos pessoas sem-abrigo (473 utentes) procuraram acompanhamento de equipas de reinserção em relação a 2010, estando aqueles que a solicitaram concentrados sobretudo na região Norte do país. Por sem-abrigo o IDT entende uma pessoa “sem tecto, vivendo no espaço público, alojada em abrigo de emergência ou com paradeiro em local precário, ou sem casa, encontrando-se em alojamento temporário destinado para o efeito”.

Em contrapartida, foi diagnosticado um aumento das necessidades no âmbito da habitação, ao mesmo tempo que as respostas proporcionadas ficaram na ordem dos 31%. O IDT admite, neste campo, “a escassez e insuficiência de respostas”.

 

Contexto político e legislativo

Este relatório é publicado na sequência da reestruturação dos serviços públicos nas áreas da toxicodependência e do alcoolismo, deliberada ao abrigo do PREMAC (Plano de Redução e Melhoria da Administração Central). O IDT foi extinto entretanto e foi criado o Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), tendo a vertente operacional sido transferida do IDT para as Administrações Regionais de Saúde (ARS).

O documento espelha uma política nacional de combate à toxicodependência que passou pela descriminalização do consumo e da posse de todas as drogas ilícitas em pequenas quantidades, que se tornou lei em Julho de 2001. O enfoque, desde então, passou a estar na saúde do consumidor e não nas sanções penais, uma política pioneira e elogiada por várias instâncias internacionais.

Segundo João Goulão, ex-presidente do IDT e agora presidente do SICAD, citado pela Courrier Internacional, a descriminalização reduziu o estigma associado aos toxicodependentes, fazendo com que mais pessoas procurassem apoio. “Há hoje um número recorde em tratamento”, assevera Goulão.

Jovens de Aveiro Viana e Viseu já bebem aos 14

Os jovens de Aveiro, Viana do Castelo e Viseu começam a beber álcool pouco depois dos 14 anos e a fumar quando ultrapassam os 15 anos, revela um estudo efectuado pelo Instituto Europeu para o Estudo dos Factores de Risco em Crianças e Adolescentes, EFREA. O estudo efectuado em 2007 e apresentado recentemente em Aveiro abrangeu um universo de 150 indivíduos, em cada uma das cidades, que frequentam a noite. Jornal de Notícias

+Ler notícia: http://www.mynetpress.pt/pdf/2010/junho/20100602207be6.pdf

Juventude Alcoólica

Todos os que passaram  pela adolescência sabem que é uma época um bocado parva da vida. As certezas absolutas de tudo, a impaciência com os mais novos mais velhos e os da mesma  idade e a revolta de ainda não ser adulto para poder fazer o que muito bem quer são algumas das características de um  adolescente  típico. Aos 16 anos quase tudo é um problema sem solução à vista e os excessos tomam  conta do crescimento, sobretudo numa fase em que tudo é um exagero. Mas há descontrolos mais nocivos que outros. Um estudo da Deco revelou que mais de metade dos jovens entre os 12 e os 15 anos que tentaram comprar bebidas alcoólicas conseguiram fazê lo, apesar de a lei actual proibir a venda de bebidas alcoólicas a menores de 16 anos. Jornal Metro

+Ler notícia: http://www.mynetpress.pt/pdf/2010/maio/20100528206ccb.pdf

Apresentação de Relatório Final de Acção Promoção de Saúde

Comportamentos de risco associados ao consumo de substâncias psicoactivas lícitas como o álcool constituem um dos problemas sociais que mais danos causam a nível neurológico, fisiológico e comportamental. Estimando-se que o alcoolismo atinja 20% da população entre os 15-64 anos portuguesa, as doenças de fígado causados pelo consumo abusivo de álcool originam 3,8% das mortes e correspondem a 1,25% dos gastos em saúde segundo um estudo da Unidade de Nutrição e Metabolismo do Instituto de Medicina Molecular.

Com o objectivo de inspirar a adopção de hábitos salutares, contrariando estas tendências destrutivas e danosas, a Dianova repetiu a bem sucedida primeira edição desta iniciativa realizada em 2009, lançando a segunda edição dos “Cocktails sem álcool: memórias divertidas de uma noite” a 8 de Maio 2010 em Torres Vedras, em que cada espaço de lazer ofereceu 1 bebida sem álcool, promovendo-se um consumo salutar e uma diversão nocturna que jovens e adultos se recordem no dia seguinte.

A 2ª edição desta iniciativa de Promoção de Saúde inserida na Semana da Juventude de Torres Vedras, organizada pela Dianova, contou com a parceria da Câmara Municipal de Torres Vedras, PSP TVD, Instituto Português da Juventude, Instituto da Droga e Toxicodependência, Red Bull, Restaurantes, Bares e Discotecas do Concelho.

+Apresentação Avaliação de Resultados http://www.slideshare.net/Dianova/apresentao-resultados-iniciativa-cocktails-2010

Cirrose já afecta jovens de 30 anos

Estão a aparecer jovens abaixo dos 30 anos com cirroses A revelação foi feita pelo presidente do Instituto da Droga e da Toxicodependência no dia em que entrou em vigor o Plano Nacional para a Redução dos Problemas do Álcool para vigorar até 2012.

 O plano que entra em vigor com vários meses de atraso pretende reduzir os consumos de álcool em Portugal em especial nos jovens mas duas das principais medidas propostas nesse sentido não vão para já avançar. Aumentar dos 16 para os 18 anos a idade legal para o consumo de bebidas alcoólicas e reduzir de 0,5 para 0,2 a taxa de alcoolemia para os jovens recém encartados são duas das medidas inscritas no plano ontem aprovado pelo Conselho Interministerial para os Problemas da Droga das Toxicodependências e do Uso Nocivo das Drogas – que não vão, pelo menos para já, sair do papel

Algumas metas do plano para 2012 – Atenção aos Jovens: baixar de 34,6% para 30% a prevalência de embriaguez entre os 15 e os 19 anos e reduzir de 48,3% para 40% a prevalência de bingedrinking nos jovens. Baixar de 9,6 para 8 Litros: reduzir de 20,7% em 2007 para 18% a prevalência de embriaguez na população e baixar de 9,6 litros em 2003 para 8 litros em 2012 o consumo anual per capita. Jornal de Notícias

+Ler notícia http://www.mynetpress.pt/pdf/2010/maio/201005272063f5.pdf

Há estabelecimentos a vender álcool a menores de 16 anos

Um estudo da Deco revela que muitos estabelecimentos comerciais não respeitam a lei e vendem álcool a menores de 16 anos. Em mais de metade das visitas efectuadas, os jovens que colaboraram com a DECO não tiveram problemas em comprar bebidas alcoólicas. Nos super e hipermercados, a tarefa foi facilitada sempre que compraram uma garrafa de vodka isoladamente. O mesmo aconteceu em restaurantes de “fast food” e em cafés ou pastelarias: em mais de metade dos locais foi-lhes vendida a bebidas alcoólica solicitada. João Goulão, presidente do Instituto da Droga e
Toxicodependência (IDT) não se mostra surpreendido com os resultados do estudo da Deco. Afirma que “há uma enorme complacência” no nosso país “em relação ao consumo de álcool” e anuncia que uma das metas é proibir a venda destas bebidas a menores de 18 anos. Rádio Renascença

-Ler notícia  http://www.rr.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=97
<http://www.rr.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=97&did=105513>