Presidente do INCB visitou Dianova

Raymond Yans (esq.) e Pavel Pachta (dir.)

 

 

 

 

 

 

 

 

No passado dia 20, o presidente do INCB (International Narcotics Control Board), Mr. Raymond Yans, e o Deputy Secretary of the Board, Mr. Pavel Pachta, visitaram as instalações da Dianova Portugal, na Quinta das Lapas.

Nesta visita paralela a uma Organização Social, no âmbito da Missão INCB 2012, os dois membros deste organismo auscultaram e registaram as preocupações sobre problemas sociais, saúde e económicos relacionados com abuso de drogas partilhadas pela equipa da Dianova.

Durante a manhã, e a anteceder uma visita à comunidade terapêutica, foram apresentados os resultados alcançados em 2011 em 3 áreas de intervenção: Prevenção e Promoção de Saúde, Tratamento das Toxicodependências e Reintegração Social. 

Galeria de fotografias ilustrativas da visita aqui.

Apresentação do Impacto Social 2007-2012 e resultados específicos de iniciativas/programas da Dianova aqui.

O ICNB é o órgão quasi-judicial e independente que monitoriza a implementação das convenções internacionais das Nações Unidas em matéria de controlo de estupefacientes.

Grupo de profissionais Suecos da área social visitam Dianova

No passado dia 6 de Setembro, entre as 10 e as 13h, um grupo de 6 profissionais da área social da Suécia realizou uma visita de carácter institucional e cultural à Dianova Portugal, durante a qual tiveram a oportunidade de trocar impressões com cidadãos suecos que se encontram em programa de tratamento na Comunidade Terapêutica Quinta das Lapas.

Após a recepção de boas vindas, foi realizada uma breve apresentação corporativa e sobre os resultados da área de tratamento, o Grupo efectuou uma visita arquitectónico-patrimonial e ambiental ao Solar e Jardins da Quinta das Lapas, a que se seguiu uma visita à Comunidade Terapêutica e conversas informais com os Utentes suecos em tratamento.

De acordo com Ana Delgado, responsável pela gestão da visita, “a visita ao espaço do bosque e da Comunidade Terapêutica foi muito positivo e correspondeu ou superou as expectativas do grupo. Valorizaram muito o espaço físico e tranquilidade do ambiente envolvente, mas também a nossa dinâmica e a forma como estruturamos o Programa Terapêutico. Colocaram algumas questões práticas e específicas, procurando comparar procedimentos e know-how. A conversa informal que mantiveram com alguns dos nossos Utentes suecos foi muito enriquecedora e até emocionante; sentiram que os Utentes estavam bem integrados quer na dinâmica, quer na filosofia do Programa; e valorizaram o trabalho que estão desenvolver connosco.” Continuar a ler