O que é um policonsumo?

A definição genérica de «policonsumo de drogas» utilizada por muitos Estados-Membros refere-se ao consumo de mais do que uma droga ou tipo de droga por um mesmo indivíduo — consumo simultâneo ou sequencial (tal como definido no léxico da OMS). Na Europa, o conceito de policonsumo de drogas remonta à década de 70. Na sua acepção mais geral, o policonsumo de drogas é definido como o consumo de uma droga ilícita associado a outra droga lícita ou ilícita. No entanto, existem diferenças consideráveis nas substâncias incluídas e nos quadro temporais utilizados pelos diferentes Estados-Membros. Parece que as diferenças dependem dos dados dos inquéritos disponíveis e da percepção dos riscos associados a determinadas substâncias ou combinações. Regra geral, as substâncias incluídas são as principais drogas ilícitas, o álcool e os medicamentos. As bebidas energéticas são por vezes incluídas e a França inclui o tabaco. Os quadros temporais de consumo variam entre um período de seis horas e a experiência ao longo da vida de um indivíduo.

Ler mais em:

Cocaína tem sido adulterada na Europa com medicamentos veterinários

O número de mortes causadas pelo consumo de cocaína tem vindo a crescer nos últimos anos na União Europeia (UE). É no Reino Unido que a mortalidade associada à utilização de cocaína mais tem crescido, ao ponto de ter duplicado no intervalo de cinco anos (161 casos notificados em 2003 e 325 situações confirmadas em 2008). No total, morrem cerca de mil pessoas todos os anos devido à utilização daquela droga.

Cerca de 70 mil pessoas iniciaram tratamento, em 2008, devido ao consumo de cocaína nos 27 países da UE, o que quer dizer que estes consumidores constituem já 17 por cento dos novos utentes dos programas. A cocaína é a segunda droga mais consumida na Europa, estando a sua utilização mais concentrada nos países do Ocidente e Sul do continente.

A actual oferta de cocaína na Europa pode oferecer uma explicação plausível para estes dados. A esmagadora maioria de cocaína disponível em solo europeu é adulterada, devido aos chamados “agentes de corte”, de modo a aumentar o seu valor de mercado. O relatório do OEDT hoje divulgado dá vários exemplos de quais são os agentes de corte que podem ser empregues: dos açúcares ou amido até à fenacetina ou à cafeína…

Mas a substância mais detectada e a que mais prejuízos pode causar à saúde dos consumidores é o levamisol – um anti-helmíntico para as lombrigas. Aquela substância tem sido utilizada como agente anti-parasitário na medicina veterinária e anteriormente tinha sido igualmente empregue como imunoestimulante na medicina humana. O observatório nota que 70 por cento da cocaína analisada nos EUA, em Julho de 2009, tinha sido acrescentada com aquela substância e nota que uma percentagem muito significativa da droga apreendida e analisada na UE continha levamisol. Este tipo de químicos é adicionado à cocaína, ou a outras drogas em pó, de forma a aumentar o seu valor de compra e os seus consequentes lucros.

Em oito países europeus, incluindo Portugal, o consumo de cocaína ultrapassa o consumo de anfetaminas e ecstasy entre os jovens adultos, avança o relatório anual do Observatório Europeu da Droga e Toxicodependência, apresentado esta semana.

Ler o resto da notícia em PÚBLICO.PT