Como “desafiar a angariação de fundos tradicional”?

shutterstock_28318237

“As organizações sem fins lucrativos têm que se adaptar às dinâmicas em mudança” no terceiro sector, se querem ser “bem-sucedidas”, e essa adaptação passa por uma “transformação” no ramo da angariação de fundos, defende Jim Coe, num artigo de opinião no jornal britânico The Guardian. No mesmo diário, Nicolle Wilkinson, gestora na NESTA, explica, recorrendo a exemplos de projectos em marcha, como se pode “desafiar a angariação tradicional” com a ajuda de um fundo de inovação.

Segundo um relatório recente da Charities Aid Foundation, o terceiro sector enfrenta vários desafios. Um dos mais prementes é responder às quebras de receitas através da angariação de fundos. Uma das potenciais explicações para este estado da arte é que “na prática, a integração da campanha e do marketing é alvo de uma fraca estratégia, sendo mal implementada”, na opinião de Jim Coe, comentador versado em Campanhas e Mudança Social e Política, que em Dezembro de 2012 assinou, no The Guardian, o artigo As Tendências sociais, tecnológicas e políticas estão a transformar a Angariação de Fundos.

Nicolle Wilkinson, gestora de desenvolvimento em “Innovation in Giving” na NESTA, por sua vez, inicia o seu artigo As Instituições de Solidariedade Social de topo estão a descobrir formas inovadoras de Angariação de Fundos com perguntas. “Como podem [estas organizações] atrair novos doadores, manter o envolvimento dos actuais doadores e obter doações mais regulares?”. “Desafiando a angariação de fundos tradicional”, responde. O ponto de chegada das campanhas, esse, mantém-se intacto, de acordo com Wilkinson: “envolver mais pessoas” [e incitá-las] a contribuírem com o seu tempo, as suas competências, com dinheiro e recursos “com o objectivo final de escalar o seu impacto de beneficência.

 

Envelhecimento activo: Jardinar em troca de uma doação para a Age UK

Neste contexto, Wilkinson cita dez exemplos de instituições que estão a levar a cabo projectos de “inovação social”, com o apoio de um fundo da NESTA e do “cabinet office” do governo britânico.

Entre elas está a Age UK, que se aliou à plataforma de partilha Ecomodo para desenvolver uma nova plataforma de doação, com vista a responder a dois desafios: captar novos contribuintes para apoiar os seus serviços e encorajar as pessoas acima dos 50 anos a envolverem-se na prática da angariação de fundos. Uma prática possível: um jardineiro reformado pode oferecer algumas horas de serviços de jardinagem em troca de uma doação à Age UK pelo dono do jardim.

Também o “The Big Family Day Off”, projecto da National Trust, está a ser co-financiado pela NESTA e pelo governo britânico, como forma de dar resposta à já diagnosticada relutância dos britânicos em dispensarem o “tempo precioso da família” para o voluntariado. Em que é que consiste este “Grande Dia”? Os empregadores que aderirem a esta iniciativa dispensarão os seus empregados um dia por ano para fazerem voluntariado com a sua família num projecto de solidariedade social local. “Além de ajudar a instituição, e potencialmente outras, esta [acção] dá a oportunidade às famílias de passarem mais tempo de qualidade juntos e adquirirem novas competências”.

 

O poder de “adaptação” de novos movimentos sociais

“Várias ONGs estão atentas às tendências, algumas estão a trabalhar efectivamente com novos movimentos” e novos procedimentos, estando já a “operar segundo modelos mais adaptáveis”, defende Jim Coe, num artigo em que não poupa este tipo de organizações.

Por outro lado, o comentador cita, neste contexto, novas formas de comunicar e de promover campanhas, através de movimentos sociais ou plataformas onlineUK Uncut, Change.org e MoveYourMoney – que estão a “introduzir mudanças fundamentais no ‘quadro completo’ das campanhas, trazendo consigo desafios, mas também oportunidades”. Outro exemplo mencionado é o do movimento Occupy, que, segundo o autor, “opera de uma maneira diferente e mais convincente: pessoas à procura de soluções nas suas próprias mãos”.

O autor defende ainda uma atenção redobrada aos social media, que “oferecem possibilidades de respostas radicalmente diferentes, e formas de trabalhar mais rápidas e mais descentralizadas”. Entre outras virtudes destes novos meios estão, para Coe, a amplificação na difusão de ideias e a possibilidade de fazer novas conexões, que antes não eram comuns.

A fechar o artigo, é reforçada a ideia de que mantém-se “uma necessidade primordial” para o sector das ONGs: adaptar-se a novos modelos que permitam uma eficácia maior da campanha a nível interno e ligar-se mais efectivamente a novos movimentos [responsáveis por novas] campanhas”.

Anúncios

Marca de bebidas apela à consciência dos mais novos

Numa acção inédita para uma marca de bebidas alcoólicas, o Whisky Granfs vai realizar uma campanha de consciencialização junto da população jovem, incentivando-os a uma condução responsável, apelando para que enquanto conduzam não bebam. Esta iniciativa, em parceria com a Emparque, está a decorrer no parque de estacionamento da Praça Luís de Camões, no Bairro Alto, desde o dia 15, das 23.00 horas às 3.00 horas da manhã, e termina hoje. Na altura de levantarem os carros, os condutores terão oportunidade de fazer o teste do balão e os que registem 0,0g de álcool no sangue, serão premiados com três horas de parque grátis.

“Esta campanha surge no âmbito do compromisso de Grant’s em promover consumo responsável”, revela António Carvalhão, gestor da marca, que acrescenta: “Uma das principais áreas de intervenção de Grant’s a nível de responsabilidade social é a condução. Nesse sentido, a marca tem promovido nos últimos anos algumas acções de sensibilização dos riscos de associar o consumo de álcool à condução”. Deste modo, a Grant’s pretende “assumir-se como uma marca consciente e apelar à mensagem de uma condução segura, assim como à necessidade de se fazer uma escolha entre o conduzir e o beber”, reforça o responsável.

Em acções passadas, a marca de bebidas apostou em fazer passar uma mensagem assente na recomendação de que aqueles que bebem devem abster-se de conduzir. “Este ano optámos por uma mensagem diferente e apostámos na recomendação de que aqueles que irão conduzir devem abster-se completamente de consumir bebidas alcoólicas. Continuar a ler

Sete detidos a caminho do “Andanças” por posse e tráfico de droga

A GNR deteve, por posse e tráfico de droga, sete pessoas que, no fim-de-semana, se deslocavam para o Festival Andanças que está a decorrer, desde ontem, em Carvalhais, S. Pedro do Sul. Os suspeitos, com idades entre 22 e os 30 anos de idade, estavam na posse de 58,4 gramas de haxixe e 1,1 gramas de canábis. A droga estava escondida no vestuário, dentro das viaturas e nos autocarros em que se deslocavam os participantes do festival.

Durante a operação de fiscalização que envolveu 33 militares, foram também detidos dois indivíduos com idades entre os 22 e 26 anos de idade por posse de armas brancas. A GNR promete apertar a fiscalização nas principais vias de acesso ao festival internacional de dança e música popular. A posse e tráfico de estupefacientes, armas e condução sob efeito de álcool vão merecer atenção reforçada por parte dos militares.

À semelhança do que tem sucedido em anos anteriores, a GNR voltou a colocar um posto móvel junto à entrada principal do evento, com o objectivo de garantir a segurança aos cerca de 20 mil participantes esperados até ao próximo domingo. As detenções por posse e tráfico de droga têm sido habituais na zona durante a realização do festival, mas têm vindo a diminuir ao longo dos últimos três anos, de acordo com os dados avançados pelo gabinete de relações públicas da GNR. Em 2009, foram detidas 24 pessoas, enquanto que no ano passado o número baixou para metade.

Fonte: Jornal de Notícias

Workshop e Conferência Internacional no ISCTE de Lisboa

O PAPEL DO MARKETING SOCIAL NA MELHORIA DE COMPORTAMENTOS COM O PROFESSOR JEFF FRENCH – FUNDADOR DO NATIONAL SOCIAL MARKETING CENTRE INGLÊS

DIA 14 JUNHO 15 HORAS
WORKSHOP (15 –17.30 h) no Laboratório OS1
CONFERÊNCIA (18 h) no Auditório Afonso de Barros (Ala Autónoma)
INSCRIÇÃO GRATUITA COM DIPLOMA DE PARTICIPAÇÃO
Informações e inscrições prévias para o workshop: geral.ipps@iscte.pt

15 H | WORKSHOP
MARKETING SOCIAL E MUDANÇA DE COMPORTAMENTOS SOCIAIS DE SAÚDE

Laboratório OS1
FORMAÇÃO EM CD CYNERGY
Criado pela Turning Point Social Marketing National Excellence Collaborative, em cooperação com o Centers for Disease Control and Prevention (USA), o CD Cynergy é um excelente instrumento operativo de intervenção em processos de mudança de comportamentos sociais.
Orientação de Carlos Oliveira Santos (Course of Social Marketing in Public Health. University of South Florida, USA)

18 H | CONFERÊNCIA
MUDANÇA DOS COMPORTAMENTOS DE SAÚDE – A EXPERIÊNCIA INGLESA
PROFESSOR JEFF FRENCH

Auditório Afonso de Barros (Ala Autónoma)
PARTICIPAÇÃO GRATUITA –COM DIPLOMA DE PARTICIPAÇÃO
Informações e inscrições prévias para o Workshop: geral.ipps@iscte.pt
No Facebook search: Mudança Social ISCTE

Do Well Do Good, LLC lança Um novo olhar sobre o cause-related marketing

Cause-Marketing Defined

Cause-marketing and corporate social responsibility programs are two tools of modern business practices that promise opportunities for companies to do well financially by doing good in society. While cause-marketing and CSR initiatives are fundamentally different, they can help a company enhance or create new approaches in the workplace, with the workforce, and in the marketplace.

They are more than just the “right thing to do.” These programs can improve the bottom line and help a company meet the expectations of their customers, employees, and stakeholders. For the purpose of this survey, we defined cause-marketing as “a potentially profit-making initiative by a for-profit company or brand to raise awareness, money, and/or consumer engagement in a social or environmental issue.” To read the companion Summary Report on corporate social responsibility, please visit http://www.dowelldogood.net. We report the results of these surveys by looking at the response by the total population and we also segmented the results to identify how men, women, and moms view the questions asked.

Ler Relatório: dowelldogood.com