SIB quer conhecer melhor organizações da sociedade civil

O Social Investment Business (SIB) lançou um inquérito para conhecer as necessidades financeiras futuras das organizações da sociedade civil. O inquérito vai estar online pelo menos durante um ano. Os dados recolhidos servirão de apoio à criação de um plano de desenvolvimento de novos fundos, avança o portal Third Sector.

O objectivo do estudo é “assegurar” que o SIB está a “desenvolver os produtos certos para ajudar [as instituições] a atingir os seus objectivos” – pode-se ler na introdução ao inquérito online deste operador na área de gestão de fundos. E a quem se destina? A empresas sociais, instituições de solidariedade social, associações e cooperativas, mas também a empresas privadas com objectivos sociais que nunca tiveram acesso a investimento social.

“Da experiência de gerir mais de mil vínculos com investidores ao longo dos últimos dez anos, tivemos [noção] das suas necessidades de financiamento, mas para ter a certeza que os nossos fundos têm o máximo de impacto, precisamos de ouvir [a opinião] de mais organizações do sector sobre as suas necessidades de financiamento e que tipo de negócios lhes parecem apelativos”, avançou Jonathan Jenkins, director geral do grupo SIB, citado pelo portal Thirdsector.

O inquérito pergunta a líderes – sobretudo do terceiro sector – se há projectos específicos que desejassem desenvolver, caso tivessem mais acesso a financiamento, e que tipos de financiamento lhes interessam mais. No formulário há questões sobre a escala geográfica das organizações, os serviços e produtos que disponibilizam ou as facturações relativas aos anos 2011/2012 e 2010/2011.

De acordo com Jenkins, os inquéritos anteriores mostraram que cerca de 20% das associações tinham necessidades de financiamento superiores a 1 milhão de libras e que a maioria das organizações estava apostada em aumentar a escala de programas próprios já em curso.

O director geral do grupo SIB disse ainda que havia mais interesse por um financiamento do tipo “equity-like” – produtos que se assemelham a stocks e a acções, onde o nível de reembolso para o investidor depende do sucesso da instituição de solidariedade social.

O SIB é um organismo gestor de fundos especializado, que geriu até ao momento mais de 1300 investimentos em organizações da sociedade civil. A missão, de acordo com o site oficial do grupo, passa por “ter um efeito transformador no sector – dando poder ao sector quer a nível organizacional, quer a nível estratégico, de modo a que este seja mais sustentável e valorizado na oferta de serviço público” e  por “ser um líder no ramo do investimento social, baseado no sucesso demonstrável em auxiliar as organizações da sociedade civil de todas as dimensões a fazerem mais daquilo que elas fazem melhor”.

Anúncios

Convite para a Sessão de Divulgação Pública do Mestrado MESIC

A Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém homologou no âmbito do Processo de Bolonha, os estudos de mestrado em Educação Social e Intervenção Comunitária (MESIC). O mestrado procurará dar resposta à crescente solicitação de técnicos com formação de alto nível no âmbito da Intervenção Comunitária. Numa altura em que os problemas sociais se agudizam, dada a forte crise que o país enfrenta, este curso visa fornecer aos seus formandos uma forma profissionalmente consistente de intervenção em áreas tão diversas quanto: a 3ª Idade, o Apoio a Crianças e Jovens (desde logo, os problemas da toxicodependência), Apoio às Famílias, Políticas Sociais de Intervenção, Gestão de Organizações de Economia Social, etc., etc.

A referida Sessão está prevista para a próxima 4ª feira (6/04/2011), pelas 11.00H, no Auditório 1 da Escola Superior de Educação de Santarém. Nela estarão presentes, para além da Direcção da Escola e da Coordenação do departamento das Ciências Sociais e do Mestrado, jornalistas do Correio do Ribatejo, do Mirante e da Agência Lusa, por forma à ampla divulgação deste acontecimento.

Pr. Dr. Paulo Coelho Dias, Coordenador do Departamento de Ciências Sociais
Coordenador do Mestrado MESIC

Consultem aqui o Plano de Estudos

Barragem do Tua começa hoje a ser construída

A barragem de Foz Tua, que começou hoje a ser construída em Trás-os-Montes, envolve um investimento de 305 milhões de euros, vai criar quatro mil postos de trabalho directos e indirectos e deverá começar a produzir energia em 2015.

Os dados são da EDP, a concessionária do empreendimento adjudicado ao agrupamento de empresas Mota-Engil/Somague/MSF, que deverá ter a obra concluída em quatro anos.
A barragem situa-se no troço inferior do rio Tua, na confluência dos concelhos de Carrazeda de Ansiães e Alijó, próximo do rio Douro, abrangendo os concelhos de Alijó e Murça, no Distrito de Vila Real, e Mirandela, Carrazeda de Ansiães e Vila Flor, no Distrito de Bragança.

O paredão em betão do tipo abóbada de dupla curvatura terá 108 metros de altura máxima e 275 metros de desenvolvimento de coroamento, a cerca de um quilómetro da foz do rio Tua.
Dispõe ainda de um descarregador de cheias inserido no corpo da barragem equipado com comportas, de uma descarga de fundo e de um dispositivo para libertação de caudal ecológico.

A central da barragem será subterrânea em poço, localizada na margem direita, cerca de 500 metros a jusante da barragem, com um edifício de descarga e comando situado à superfície.
A sua localização ficará a montante do encontro direito da ponte rodoviária Edgar Cardoso, que liga os concelhos de Alijó e Carrazeda de Ansiães e simultaneamente os dois distritos.

A empreitada contempla ainda um circuito hidráulico subterrâneo, na margem direita, com uma extensão de 700 metros, constituído por dois túneis independentes.

Ler artigo integral em publico.pt

EDP ajuda Fundação do Gil

Um postal por um sorriso é a proposta da EDP para este Natal. Através de um microsite as pessoas podem enviar um cartão de Natal digital e personalizado para os seus amigos ou familiares.

Por cada cartão enviado, a EDP contribui com 50 cêntimos para a Fundação do Gil, através da Bolsa Social de Valores/Euronext. Com o mote “Este Natal ofereça o seu sorriso”, a campanha pretende atingir os 50 000 sorrisos enviados, que serão convertidos em 25 mil euros para a Fundação.

A adopção deste conceito de cartão de Natal é mais uma iniciativa inserida na política de responsabilidade social e ambiental, que o Grupo EDP promove em todas as suas acti vidades e mercados.

Contribua para esta causa.

Social Media Beachcombing: A sobrevivência do Twitter.

Ficou famosa a visão de John D. Rockefeller da chegada do colapso em Wall Street, retirando todo o seu dinheiro quando o engraxador lhe começou a dar dicas sobre bolsa e acções. Então, que efeitos se trazem para o Next New Thing dos meios de comunicação social, quando os vossos padrastos vos começam a falar sobre o Twitter?

Por um lado, qualquer trendspotter digital que se preze teve de começar a pesquisar em outros lugares, pelo menos um ano atrás. Mas o ponto mais importante para as marcas é a rapidez com que essas inovações de mídias sociais contemplam a mudança, a partir das margens para o centro da questão. Como autor e professor Clay Shirky observa, é apenas quando a tecnologia se torna aborrecida – ou seja, de rotina para a maioria, não apenas para a Geekosfera – que se torna interessante.

O Twitter já se está a tornar um dos primeiros lugares em que as pessoas procuram notícias de última hora, muitas vezes por testemunhas, desde acidentes de avião a terremotos e, infelizmente, tiroteios na escola. É também o lugar que empresas procuram ao tentar monitorar não apenas a execução maioritária da opinião dos clientes, mas também em tempo real as informações sobre os seus próprios últimos destaques.

Ler o artigo completo em businessweek.com