Europa em Debate | “Cinco Ideias Para Uma Europa Mais Jovem” a 18 de Março

iStock_000003154973Small

 

Desde o Outono de 2011 que dois representantes de instituições europeias têm vindo a visitar universidades, por toda a Europa, para se reunirem com os jovens, ouvi-los e registarem as suas ideias para uma Europa “mais jovem e melhor”. Na próxima segunda-feira, as propostas mais fortes serão discutidas num evento especial, transmitido em “livestreaming”, que encerra este périplo de audição que aproximou delegados institucionais e agentes informais. Fonte: Debating Europe

 

Das ideias recolhidas ao longo dos últimos meses, foram seleccionadas cinco, que vão ser remetidas ao Parlamento Europeu – a única instituição da União Europeia eleita directamente pelos cidadãos Europeus – e ao Comité Económico e Social Europeu, que representa a sociedade civil Europeia. No evento da próxima segunda-feira, estarão presentes precisamente o primeiro Vice-presidente do Parlamento Europeu, Gianni Pittela, e a Vice-Presidente do Comité Económico e Social Europeu, Anna Maria Darmanin.

Entre as propostas concretas estão a criação de um Presidente da União Europeia, elegido por todos os cidadãos da União, um serviço de emprego público Europeu, um Programa de Graduação Europeu ou mesmo o alargamento dos direitos aprovados num Estado-Membro aos restantes.

Democracia, Emprego, Direitos, Educação e Esfera Pública Europeia estarão no centro do debate. “Ajudarão estas cinco ideias a construir uma Europa melhor?”, eis a questão lançada no site “Debating Europe”, uma plataforma de discussão em torno de Assuntos Europeus, que será responsável pela transmissão em “livestreaming” e “liveblogging” do evento “Cinco Ideias Para Uma Europa Mais Jovem”, agendado para a próxima segunda-feira às 13h30 (GMT).

Siga o debate no Twitter, via hashtag #5ideas.

 

Cinco ideias: De um presidente da UE a uma companhia pública de radiodifusão europeia

 

Abaixo seguem as principais directrizes do debate da próxima segunda-feira, de acordo com o canal “Debating Europe”:

 

Democracia: “A criação de uma verdadeira união política Europeia. Este processo implica a existência de um Presidente da União Europeia, eleito directamente por todos os cidadãos da União Europeia.”

Emprego: “Implementar um serviço de emprego público Europeu. Tendo em vista não apenas facilitar a correspondência de empregadores e das pessoas que procuram trabalho. Desenhado para orientar as escolhas dos jovens na sua procura de emprego, para sugerir soluções de formação profissional ou educação aptas para servir as necessidades do mercado de trabalho.”

Direitos: “A estandardização dos direitos humanos, sociais, cívicos, políticos e económicos na União Europeia. Qualquer direito aprovado por um Estado-Membro da União deve ser automaticamente alargado aos cidadãos de todos os Estados-Membros. Isto evitará que alguns direitos se tornem os privilégios daqueles que podem pagar por eles.”

Educação:Estabelecer um Programa de Graduação Europeu: um curso de 4 anos; 4 universidades; 4 países europeus. A ser concertado com o desenvolvimento do ensino à distância e das universidades virtuais, e o estabelecimento de embaixadores da União Europeia em todas as faculdades de todas as universidades da União Europeia: estudantes que irão ajudar outros estudantes a estarem informados sobre os seus direitos, oportunidades de mobilidade, emprego e estágios oferecidos pela União Europeia.”

Esfera Pública Europeia: “De acordo com o Eurobarómetro, a televisão é de longe a fonte de informação líder para os Europeus (2012); Neste sentido, a União Europeia deve apoiar a criação de uma companhia pública de radiodifusão europeia.”

EU | “Garantia Jovem” aprovada | Durão Barroso apela à implementação urgente da medida

iStock_000003154973Small

 

A União Europeia assume o compromisso de que os jovens até aos 25 anos sem emprego há pelo menos 4 meses terão uma oferta de emprego, um estágio de qualidade ou mais formação. Os contornos finais da chamada “Garantia Jovem” foram acordados, no dia 28 de Fevereiro, pelos Ministros dos Estados-membros da União Europeia, segundo o portal Euractiv. O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, aplaude a iniciativa e insta à sua rápida implementação numa União Europeia que enfrenta 23,4% de desemprego jovem.  

 

“Muitos jovens Europeus estão a perguntar-se se alguma vez encontrarão um emprego ou terão a mesma qualidade de vida dos seus pais”, afirmou Barroso, a propósito deste acordo, lembrando que nos últimos dois anos a Comissão Europeia tem procurado colocar o desemprego jovem “no topo da agenda política da Europa”. “Eles [os jovens] precisam de respostas [da União Europeia]”, acrescentou. Entretanto, Barroso pediu aos ministros dos Assuntos Sociais e do Emprego dos Estados-membros urgência na implementação da medida.

 

De acordo com um relatório do Eurofundo apresentado no final de Fevereiro, os custos anuais do Jovens NEET [actualmente sem emprego, educação e estágio] em 2011 atingiram os 153 mil milhões de euros.

 

Em Janeiro, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução, apelando aos Ministros dos Assuntos Sociais e Emprego dos 27 que chegassem a um consenso, de modo a aplicar estes esquemas de combate ao desemprego jovem consoante as necessidades de cada país. Os parlamentares europeus instaram ainda a que os planos nacionais de Garantia Jovem fossem elegíveis a financiamento europeu, em particular ao Fundo Social Europeu. Isto depois de superadas várias resistências, conforme a Dianova reportou neste blogue em Dezembro passado.

 

Segundo o jornal Público, no final da reunião de ministros europeus, no passado dia 28 de Fevereiro, Pedro Mota Soares, o ministro português da Solidariedade e da Segurança Social, defendeu que as atenções, no caso da “Garantia Jovem”, deviam recair sobre os países “que estão debaixo de assistência financeira, onde este problema [do desemprego] é ainda maior”, como Portugal.

 

Os números do desemprego e os números da “Garantia”

Um em cinco Europeus estão desempregados. Na União Europeia, o desemprego jovem [dos 15 aos 24 anos] situava-se, em Dezembro, nos 23,4% da população activa, segundo o Eurostat. Na Espanha e na Grécia, o desemprego entre os jovens ultrapassava no final de 2012 os 50%. Já em Portugal, em Dezembro, o nível de desemprego jovem situava-se nos 38,3%.

 

Uma fatia de 6 mil milhões de euros do Orçamento da União Europeia para o período 2014-2020 está reservada para combater o desemprego jovem nas regiões com problemas mais evidentes nesta matéria, segundo o portal Euractiv.

 

Mas de acordo com o European Youth Forum, uma organização da sociedade civil, este valor é modesto: “Os seis mil milhões alocados não são suficientes para aplicar a Garantia Jovem em toda a União Europeia, e nem é sequer provável que ataque o desemprego jovem nas regiões identificadas como tendo uma taxa de desemprego jovem mais elevada do que a média da União Europeia”, afirmou Peter Matjasic, presidente do European Youth Forum. “O que nós precisamos não são apenas palavras para ‘etiquetar’ políticas ou fundos existentes, mas um investimento substancial na requalificação e em colocar os jovens no mercado laboral”.

 

Por sua vez, Pervenche Berès, o presidente do Comité do Emprego e dos Assuntos Sociais do Parlamento Europeu, aplaude o acordo em torno da “Garantia Jovem”, lembrando que o Parlamento Europeu “irá lutar pelo Fundo Social Europeu, para serem alocados pelo menos 25% do Fundo de Coesão da União Europeia”.  

 

Ciclos de Formação Dianova | Fevereiro e Março

Imagem

 

Três ciclos de Formação – destinados a técnicos e decisores de Organizações do Terceiro Sector,  Agentes de Apoio a Crianças e Jovens e a Agentes de Apoio a Séniores. São estas as principais novidades da agenda do Centro de Formação para o final de Fevereiro e início de Março, além dos cursos co-financiados divulgados na semana passada. Onde? Em Lisboa, Torres Vedras e Alverca do Ribatejo. Conheça os pormenores dos cursos abaixo.

Ciclo de Formação: Técnicos e Decisores do 3º Sector

Estão abertas as inscrições – até dia 5 de Fevereiro – para os dois cursos de um ciclo de Formação destinado a técnicos e decisores do 3º sector, a decorrer em Lisboa, nos próximos dias 22 e 25 de Fevereiro.

“Liderança no Terceiro Sector – Motivação e Gestão de Equipas de Trabalho” é o primeiro, a ter lugar dia 22, entre as 9 e as 18h, em Lisboa. Já o segundo curso deste ciclo, “Ferramentas de Gestão Organizacional para Decisores de Organizações do Terceiro Sector – Liderança e Gestão de Projectos”, está agendado para dia 25, para o mesmo horário.

Ciclo de Formação: Agentes de Apoio a Crianças & Jovens | 26 e 28 de Fev

Já viu a oferta de formação que a Dianova tem disponível para Agentes de Apoio a Crianças para o próximo mês, em Lisboa e Alverca do Ribatejo?

Integram o Ciclo de Formação destinado a estes profissionais dois cursos, cada um desdobrado em duas sessões de 6 horas:  “Comportamentos Disfuncionais na Infância – Identificação e Actuação” (Alverca do Ribatejo, dias 26 e 28 de Fevereiro, 10-17h); e “Crianças e Jovens em Risco – Dinâmicas Associadas” (Lisboa, dias 25 e 27 de Fevereiro, 10-17h).

 As inscrições estão abertas até 4 de Fevereiro.

Ciclo de Formação| Saúde da Pessoa Idosa | 5 e 7 de Março

Destinado a Agentes de Apoio aos Seniores, o curso “Saúde da Pessoa Idosa”, está agendado para Torres Vedras, para os próximos dias 5 e 7 de Março (10-17h, em ambos os dias). Pode inscrever-se, até dia 11 de Fevereiro.

A ficha de inscrição para cada um dos cursos deve ser preenchida aqui.

Contactos do Centro de Formação Dianova | formacao@dianova.pt| 261 312 300

Formação co-financiada | Torres Vedras | Março 2013

O Centro de Formação Dianova tem, neste momento, abertas inscrições para 3 cursos co-financiados, para o município de Torres Vedras, com início agendado para Março.

 

O objectivo destas formações é capacitar capital humano que esteja em idade activa – principalmente pessoas que estejam empregadas, aumentando a sua capacidade de produção e criando competitividade nas empresas e Organizações, ou pessoas desempregadas, que consigam aumentar, por via da formação, as suas hipóteses de empregabilidade mais qualificada.

 

OS CURSOS:

 

> ATENDIMENTO PERSONALIZADO (Junta de Freguesia de São Pedro e Santiago, 50h)

 

> SAÚDE DA PESSOA IDOSA – Prevenção de Problemas (Dianova Portugal, Quinta das Lapas, em Monte Redondo, 25h)

 

> AMBIENTE, SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO – Conceitos básicos (Dianova Portugal, Quinta das Lapas, Monte Redondo, 25h)

 

 

 

Para se inscrever, descarregue a ficha de pré-inscrição (http://www.slideshare.net/Dianova/ficha-de-pr-inscrioformandos-poph).

 

Depois de preencher o formulário, envie-o para o Centro de Formação Dianova (formacao@dianova.pt) ou entregue-o na Junta de Freguesia de São Pedro e Santiago ou na UNAFEQ (Unidade de Apoio à Formação, Emprego e Qualificação – Torres Vedras).

 

Inscrições abertas até 8 de Fevereiro.

 

Formação Dianova Co-financiada | Torres Vedras | Março 2013 from Dianova Portugal

 

Centro de Formação Dianova | Storytelling: “As Pessoas Para Além dos Números”

 

Este vídeo integra a apresentação “As Pessoas Para Além dos Números”, realizada por Susana Almeida, Gestora do Centro de Formação Dianova, no evento de Economia Social Covilhã 17 de Janeiro de 2013, da iniciativa “Oportunidade EU2020: sim ou não?!”, da qual a Dianova é Parceiro Embaixador para a Economia Social.

A formação mencionada neste vídeo foi co-financiada pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português.

“Estratégia Europa 2020: Oportunidade para o Sector de Economia Social, Sim ou Não?” | Dianova presente | Hoje, na Covilhã

Imagem

 

Como Parceiro Embaixador para a Economia Social da iniciativa “EU2020 Oportunidade: sim ou não?”, a Dianova irá participar, esta tarde, no seminário “Estratégia Europa 2020: Oportunidade Para O Sector da Economia Social: Sim ou Não?”, na cidade da Covilhã.

Intervém, no último painel do dia, como oradora, Susana Almeida, Gestora do Centro de Formação Dianova, que fará a apresentação “Formação para a Inclusão: as Pessoas para além dos Números”, que incluirá, depoimentos em vídeo, na primeira pessoa, de formandos de várias acções de formação Dianova e de parceiros da associação na área da Aprendizagem Ao Longo da Vida.

Dois dos objectivos centrais deste evento, organizado pela Associação Portuguesa de Gestão de Pessoas (APG), consistem em “potenciar sinergias entre organizações do 3º sector, empresas, departamentos do Estado e instituições comunitárias” e em “identificar caminhos e soluções de sustentabilidade para o sector da Economia Social, alinhados com os eixos de acção da Estratégia Europeia 2020”.

 

Intervenientes e principais temas

Além da Dianova, estarão presentes representantes da Agência Portuguesa do Ambiente (com a comunicação “Promover o Crescimento Sustentável: tendências e oportunidades”), da Universidade da Beira Interior (“Empreendedorismo Social: Inovação e Inclusão para um Desenvolvimento Sustentável”) e da SCMC (“A Incubadora Social como activador de emprego e dinamização do Centro Histórico”), entre outros oradores.

O debate principal será em torno dos “caminhos de sustentabilidade para um sector de economia social mais competitivo, mais sustentável e mais solidário” e contará com delegados da EAPN Portugal, Cáritas Portugal, Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES), bem como do IEFP, da Câmara Municipal da Covilhã e da Fundação Montepio.

Estratégia da União Europeia de Luta Contra a Droga 2013-2020

18

 

A Estratégia da União Europeia de Luta Contra a Droga, para o período 2013-2020, já está disponível, em Língua Portuguesa, no Jornal Oficial da União Europeia. Com base em dois planos de acção consecutivos (de quatro anos cada), esta Estratégia tem como objectivo primordial “contribuir para uma redução quantificável da procura da droga, da toxicodependência e dos riscos e danos sociais  para a saúde por elas causados”.

Em linha com a Carta de Direitos Fundamentais da União Europeia e o direito internacional (incluindo a Declaração Universal dos Direitos Humanos), este documento sublinha que a EU, com estes planos, pretende seguir, em relação ao fenómeno da droga, “uma abordagem equilibrada e integrada, a partir de dados concretos”. O preâmbulo da Estratégia refere ainda que com esta se pretende “valorizar as estratégias nacionais”.

Se a redução da procura e da oferta são os domínios de intervenção europeia para os próximos anos, os eixos centrais para cumprir estes objectivos assentam em três temas: coordenação; cooperação internacional; e investigação, informação, controlo e avaliação.

Para já, a Comissão Europeia compromete-se a apresentar relatórios semestrais intercalares a fim de avaliar a execução dos objectivos e prioridades estabelecidos na Estratégia de Luta Contra a Droga e respectivos planos de acção. Nesta tarefa, entrarão em acção organismos europeus como o Observatório Europeu da Droga e  da Toxicodependência (OEDT), a Europol e a Eurojust e organismos externos como a Organização Mundial de Saúde e o Grupo Pampidou.

 

Acção e coordenação: O que a União Europeia conta fazer?

 

Prevenção: Aumentar a disponibilidade e a eficácia dos programas de intervenção (desde o impacto inicial à sustentabilidade a longo prazo) e lançar campanhas de sensibilização para o risco do consumo de drogas ilícitas e de outras substâncias psicoactivas e para as suas consequências.

 

Tratamento: Alargar aos toxicodependentes e aos consumidores problemáticos, incluindo os consumidores de drogas não opiáceas, a disponibilidade, acessibilidade e cobertura de tratamento eficaz e diversificado em toda a União.

 

Reintegração social: Desenvolver e alargar modelos integrados de cuidados que cubram as necessidades relacionadas com problemas de saúde mental e/ou física, a reabilitação e o apoio social. O objectivo é melhorar e promover a situação social e o estado de saúde, bem como a reintegração social e a recuperação dos toxicodependentes e consumidores problemáticos. Nos estabelecimentos prisionais serão intensificados o desenvolvimento, a disponibilidade e cobertura de medidas de redução da procura de droga.

 

Sociedade Civil: Promover e incentivar a participação e o envolvimento activos e significativos da sociedade civil, designadamente de organizações não-governamentais, dos jovens, dos consumidores de drogas e dos clientes de serviços associados ao consumo no desenvolvimento e na implementação das políticas de combate à droga a nível nacional, internacional e da União Europeia.

 

Formação: Assegurar e intensificar acções de formação dos profissionais envolvidos em questões associadas ao combate à droga, no que diz respeito à redução da procura e da oferta de droga.

 

Investigação: O Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência deverá consolidar a infra-estrutura de conhecimentos, continuando a desempenhar um papel central como principal facilitador, fomentador e prestador de informações e de actividades de investigação, controlo e avaliação das drogas ilícitas em toda a EU. Deverá continuar a proceder a uma análise atempada, holística e exaustiva da situação na Europa em matéria de droga.

 

Coordenação e Cooperação: Assegurar que, entre os 27 Estados-Membros, as instituições, organismos e iniciativas relevantes, haja coerência e se criem sinergias e metodologias de trabalho eficazes com base no princípio da cooperação leal.

 

Novas Tecnologias da Comunicação: Prestar especial atenção às novas tecnologias da comunicação, que desempenham um papel importante enquanto facilitadoras do fabrico, comercialização, tráfico e distribuição de drogas (inclusive de novas substâncias psicoactivas sob controlo).

 

Justiça e crime organizado: Para prevenir a criminalidade, evitar situações de reincidência e aumentar a eficiência e eficácia do sistema de justiça penal. Sempre que necessário, reforçar, a nível da União Europeia, a cooperação judiciária e no domínio da aplicação da lei associada à luta contra a droga, bem como do intercâmbio de dados e informações. A Europol deverá continuar a envidar esforços no que respeita à recolha e análise de informações do crime organizado associado à droga facultados pelos Estados-Membros.