Municípios portugueses aderem à Semana Europeia da Mobilidade

 

“No bom caminho” é o tema da 11ª edição da Semana Europeia da Mobilidade, que começou ontem e culmina no Dia Europeu Sem Carros, no sábado. Caminhadas nocturnas, corridas de carros ecológicos, cidadãos transformados em fiscais de trânsito são algumas das propostas dos 59 municípios portugueses que vão dizer “presente” neste certame.  

Reduzir o tráfego rodoviário e o uso do automóvel, promover os modos de transporte alternativos, como a bicicleta ou os transportes colectivos, envolvendo os cidadãos no processo de planeamento sustentável de mobilidade urbana. Na essência, são estes os objectivos subjacentes a esta iniciativa, promovida desde 2002, pela Comissão Europeia.

Janez Potocnik, Comissário Europeu responsável pelo Ambiente, lembra que o “bom caminho” preconizado pela Comissão para a Europa passa por “trazer às cidades mais mobilidade, melhor qualidade de ar, menos emissões, menos ruído e um ambiente urbano mais saudável”.

Em Portugal, estão agendadas iniciativas por todo o país para marcar a efeméride. As câmaras municipais de Évora, Tomar, Guarda, Porto, Santarém, Torres Vedras, Lisboa, entre outras, têm em marcha uma série de acções de sensibilização destinadas à população em geral e às autoridades locais, para lembrar que o tráfego rodoviário não faz parte da solução.

Por exemplo, a autarquia da Guarda promove uma caminhada urbana nocturna, circuitos de bicicletas, uma acção de orientação fotográfica no centro histórico e karts a pedal.

Em Évora os jovens vão encarnar o papel de fiscais de trânsito, no âmbito de uma iniciativa de promoção das boas práticas de estacionamento e de consciência cívica.

Santarém, por sua vez, vai ter a sua Avenida José Saramago interdita ao trânsito e pede aos cidadãos que “poupem nas suas deslocações e optem por meios alternativos”, anuncia a Agência Lusa.

No Porto haverá um seminário alusivo à “Mobilidade Sustentável”. Já em Lisboa, a autarquia desafiou os munícipes a irem de bicicleta para o trabalho sexta-feira.

Em Tomar, haverá prémios para o “Transporte mais Eco-louco de Sempre”. Carros movidos a combustível não podem entrar na corrida – apenas carrinhos de rolamentos, bicicletas antigas e modernas, bem como outros veículos caseiros.

 

Prémio da Semana da Mobilidade

A Semana Europeia da Mobilidade surgiu em 2002 para proporcionar um “ambiente urbano mais agradável e saudável para os cidadãos”, com vista a reduzir o congestionamento e a promover modos de transporte sustentáveis e não motorizados.

Nesse âmbito, a Comissão Europeia continua a atribuir o Prémio da Semana Europeia da Mobilidade a localidades que lancem as campanhas mais inovadoras. Em avaliação estão também a qualidade das actividades associadas ao tema anual (“No bom caminho” é o tema de 2012) e as medidas promovidas pelas autarquias.

No ano passado o município vencedor foi Bolonha, por ter organizado um fim-de-semana sem carros, em vez de um só dia. Além disso, um plano de expansão da rede urbana de ciclovias para 130 quilómetros e a instalação de pontos de recarga de veículos eléctricos como medidas permanentes desta cidade italiana valeram-lhe a distinção.

Em Portugal, Almada venceu o Prémio da Semana Europeia da Mobilidade em 2010, entre as 2221 cidades mundiais participantes (destas, 66 eram portuguesas).

A Semana Europeia da Mobilidade apoia “o desenvolvimento de zonas pedonais e de infra-estruturas para ciclistas, promove a melhoria dos transportes públicos e reúne comunidades locais”, lembra o vice-presidente da Comissão Europeia, Siim Kallas.

Amanhã, dia 18, será lançada a campanha alusiva a esta Semana, no âmbito do evento “Duas Rodas Sustentáveis”, onde autarquias e o público poderão ser ouvidos durante um debate sobre mobilidade urbana sustentável.

Em 2011 participaram neste certame 2268 localidades de todo o mundo. Todas as autarquias europeias podem subscrever a Carta da Semana Europeia da Mobilidade e publicar os seus programas em http://www.mobilityweek.eu/.

O comunicado de imprensa da Comissão Europeia pode ser lido na íntegra aqui.

 

Anúncios

Jovens na estrada: Condução livre de álcool vale prémio simbólico

Neste fim-de-semana, Lisboa e Porto recebem a campanha “100% Cool”. Os condutores entre 18 e 30 anos que transportem, sem um pingo de álcool no sangue, dois amigos, no mínimo, recebem prémios simbólicos. Como, por exemplo, vales de combustíveis.

No fim-de-semana passado foi no Algarve. A Guarda Nacional Republicana (GNR) e a ANEBE (Associação Nacional de Empresas de Bebidas Espirituosas) uniram esforços novamente numa acção de sensibilização continuada que assinala em 2012 dez anos de vida, a “100% Cool”. Neste fim-de-semana vão andar pelas estradas de Lisboa e Porto.

Todos os condutores entre os 18 e os 30 anos que parem numa operação “100% Cool” nestas cidades terão de fazer o teste de alcoolemia. Os prémios variam entre vales de combustíveis no valor de 20 euros e vales de desconto nos parceiros da iniciativa – entre os quais, o Holmes Place, a CAT e a Staples.

Na semana passada, em comunicado, um comandante da GNR de Faro lembrou um dos objectivos desta operação nacional: “Tentar reduzir o número de vítimas nas estradas, particularmente entre os jovens”. Sem repressão, mas com responsabilização e educação para um consumo moderado de álcool.

Numa análise retrospectiva dos últimos dez anos, dados da GNR apontam para um decréscimo de 74% de vítimas mortais entre a juventude portuguesa (dos 18 aos 24 anos), maior do que os registos entre os condutores mais velhos, cujo decrescimento fixou-se nos 43%.

Já o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), pela voz de João Cardoso, lembrou ao portal Algarve Resident  um factor relacionado com a melhoria “tremendamente mais rápida” da segurança rodoviária dos jovens portugueses face a outras faixas etárias: “Os condutores jovens beneficiaram bastante das melhorias da segurança rodoviária implementadas neste período [últimos dez anos] – em particular com os esquemas de aperfeiçoamento da segurança de infraestruturas particulares”.

Cardoso considera ainda que os condutores jovens “parecem estar mais receptivos às recentes campanhas de sensibilização do que os condutores mais velhos”.

 

Controlo de velocidade em operação internacional até domingo

Começou na segunda-feira a operação internacional “Speed Enforcement”, coordenada pela TISPOL (European Traffic Police Network), e acaba neste domingo.

Participam nesta mega-operação a nível nacional 1.542 militares, divulgou a GNR em comunicado, e as estradas-alvo são as principais vias nacionais com maior índice de sinistralidade rodoviária, avança a agência Lusa.

A GNR lembra ainda que o excesso de velocidade está no top 3 das causas de acidentes mortais na União Europeia.

O extremo que fintou a droga

Em Sanlúcar de Barrameda, onde Nolito nasceu, mais do que o futebol de rua dominava o consumo e o tráfico de drogas. Os pais do pequeno Manuel caíram nessa mesma tentação, algo que não aconteceu com o agora jogador do Benfica, embora fosse muitas vezes tentado pelos colegas de rua. “A mãe dele entregou-o à avó. Foi ela e o avô que trataram dele desde pequeno, que fizeram tudo para não cair na droga”, começa por contar ao DN o tio José, que partilhou casa com Nolito: “Vivíamos todos juntos, sempre fomos bastante unidos, e talvez por isso o Nolito tenha conseguido vingar no que sempre mais quis fazer, o futebol.”

Começou a dar os primeiros pontapés na bola no seu clube de bairro, a União Deportiva Algaida de Sanlúcar. Como preferiu não seguir os estudos, trabalhava também num talho local para ajudar os avós, mas o futebol era mesmo o seu sonho. “Fisicamente não era muito forte, mas caía e levantava-se as vezes que fosse preciso. Tinha muita adrenalina e muita paixão. O bairro onde morava era complicado, chegaram a dar-lhe droga, mas ele fugiu. Sabíamos que iria vingar mesmo muito novo. Ama o futebol e por isso preferiu ir para o Benfica, onde teria mais oportunidades do que no Barcelona. Mas tenho a certeza de que um dia volta lá, tem valor para mais do que o Benfica”, disse ao DN Pedro, um dos seus primeiros treinadores.

Mãos no céu pelo avô

Quarta-feira marcou, frente ao Trabzonspor, em encontro da primeira-mão da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, o seu primeiro golo oficial pelo Benfica. A primeira coisa que fez foi apontar para o céu. A dedicatória há muito que a faz e sempre para o seu avô Manuel, a quem tratou sempre como pai. “Adorava-o. Morreu pouco tempo depois dele assinar pelo Barcelona. Quando era novo, prometeu ao avô que iria jogar no Barça. Conseguiu-o. Hoje, olha para o céu quando marca golos. De certeza que ele estará muito orgulhoso do que já fez pelo Benfica. Desfeita por ter trocado o Barça? Não. Agora é que o Nolito está feliz, a segunda divisão não era para ele. Um diz talvez regresse, mas quis o Benfica e sabia que aí podia ser feliz. Nós aqui estamos muito contentes pelo golo e por tudo o que tem feito. É um grande jogador e um grande homem”, salientou o tio.

A paixão pelo irmão António

Nolito tem um irmão, António, que também estava ao encargo da sua avó. Quando começou a ter capacidade financeira (o primeiro clube que lhe pagou, o Atlético Sanluqueno, dava-lhe 800 euros por mês, agora recebe 800 mil por ano), chamou-o para perto de si, e logo estará em Lisboa com ele, juntamente com a sua mulher e a filha Lola. E Nolito quer trazer mais dois familiares.

Ainda tem vícios de futebol de rua

Pedro, um dos seus primeiros treinadores, é da mesma opinião de Jorge Jesus, que quarta-feira salientou que o espanhol “ainda jogava pouco para o colectivo”. “Jogar numa primeira divisão é diferente dos escalões secundários. O Nolito ainda tem vícios de futebol de rua, mas tem tanto talento que isso é facilmente ultrapassável. Jogar e treinar diariamente com jogadores como Aimar ou Saviola vai ajudá-lo, e muito em breve será titular do Benfica, não tenho dúvidas sobre o seu talento”, referiu, destacando também as suas qualidades fora do relvado: “É uma pessoa de família, humilde, profissional, não sai à noite como alguns jogadores. É cumpridor e o que mais lhe interessa é jogador futebol.”

Fonte: Diário de Notícias

Silves recebe a próxima etapa da Taça Coca-Cola

No dia 2 de Abril, a partir das 10h00, realiza-se no Estádio Dr. Francisco Vieira, em Silves, a terceira etapa da Taça Coca-Cola, o maior evento de futebol juvenil não federado de Portugal.

Em competição nesta etapa vão estar cerca de 250 jovens, divididos por 15 equipas, que vão competir por um lugar na final que se realiza no Porto no dia 4 de Junho.

Com cerca de 70 mil participantes, ao longo dos últimos anos, a Taça Coca-Cola tem conquistado jovens e famílias de todo o país e assinala o compromisso da Coca-Cola na promoção de estilos de vida que integrem práticas desportivas regulares.

Para a edição deste ano, que conta com o apoio do Treinador do Futebol Clube do Porto André Villas Boas, o torneio irá marcar presença em dez distritos, dez etapas que culminam com uma fase final nacional, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, no dia 4 Junho.

A Taça Coca-Cola e o Parque Vida Activa contam com os apoios do Instituto do Desporto de Portugal, Instituto Português da Juventude e Instituto da Droga e da Toxicodependência.

A Taça Coca-Cola existe em Portugal desde 2002, conquistando desde então uma dimensão nacional, com etapas espalhadas por vários distritos do continente, Açores e Madeira, numa dinâmica de celebração da paixão que os jovens portugueses nutrem pelo futebol.

Mais informações no site da competição.

“Faces os Meth”: Os efeitos devastadores das Metanfetaminas

Às vezes, é uma questão de anos. Noutros casos, acontece em poucos meses. Rostos comuns transformam-se totalmente, num sinal demasiado visível da destruição levada a cabo pela entrada no mundo da toxicodependência.

Estas profundas alterações corporais não passaram despercebidas a King Bret, oficial da polícia do condado de Multnomah, no estado norte-americano de Oregon. Depois de anos a entrevistar toxicodependentes acabados de ser detidos, o agente foi arquivando as suas fotos e observando as drásticas transformações na sua aparência.

Há seis anos criou o projeto “Faces of Meth“, baseado em fotografias de dependentes de metanfetaminas, para alertar os adolescentes de mais de 500 escolas sobre os perigos do consumo de droga. O “programa educacional” ganhou forma e o impacto gerado levou à criação do projeto “From Drugs to Mugs“, um documentário agora com imagens de consumidores das mais diversas drogas, desde a heroína, à marijuana, cocaína e álcool

“Não se trata de usar o medo como ferramenta educacional. Todos sabemos que os adolescentes ligam muito à sua aparência e estas imagens são uma forma positiva de os chocar”, explicou Bret King ao Expresso. “Muitos ficam em silêncio, introspetivos. Outros dizem-me: ‘Nunca mais volto a usar drogas. Não quero acabar assim'”.

Impacto que as pessoas retratadas não têm capacidade para sentir: “Quando lhes mostro as fotos eles não estão a ver nada de novo. Sabem perfeitamente o que a droga lhes faz, mas estão num estado tão alterado que o que menos lhes interessa é a sua imagem corporal”.

Muitos dos rostos destas fotos “acabaram por morrer”, conta Bret King. Os que sobreviveram, ou estão presos ou em recuperação. “Recuperação essa que é um processo para toda a vida”, remata Bret King.

Fonte: Expresso

2.5 milhões de pessoas no mundo vítimas de álcool

“É preciso fazer muito mais para reduzir a perda de vida e o sofrimento associado aos malefícios do consumo de álcool”, disse em comunicado Alan Alwan, que pertence à divisão das doenças não-transmissíveis e de saúde mental.

O relatório da OMS analisou os dados dos litros de consumo de álcool, da mortalidade e morbilidade entre 2001 e 2005 de todos os países, além de verificar leis relacionadas com o álcool, como as idades mínimas de consumo ou a concentração no sangue enquanto se conduz. O relatório conclui que as principais mortes associadas ao álcool são os acidentes, o cancro, doenças cardiovasculares e a cirrose. Mas hoje relaciona-se este hábito a 60 doenças.

Os homens correm muitos mais riscos. “O álcool lidera o risco de morte para os homens com idade entre os 19 e os 59”, diz o relatório. Mais de seis por cento das mortes na população masculina devem-se ao álcool; nas mulheres, esta percentagem é de 1,1 por cento. Na Rússia, que tem um grave problema com bebidas brancas, um em cada cinco homens morre devido ao álcool.

O relatório também enfatiza o que se passa nos jovens. Nove por cento das mortes na faixa etária entre os 15 e 29 anos têm origem no álcool, o que representa 320 mil jovens. Um dos comportamentos mais danosos é a ingestão de grandes quantidades destas bebidas em pouco tempo. “O efeito benéfico do álcool como protector de problemas cardiovasculares [quando consumido em pequenas doses] desaparece em ocasiões em que se bebe intensamente”, alerta Vladmir Poznyak, um dos responsáveis pelo estudo, citado pela Reuters.

Na maioria dos países o consumo do álcool manteve-se. As bebidas destiladas são as mais usadas na Ásia e Leste Europeu. A cerveja é a preferida na Austrália, América, parte da Europa e da África. Portugal, como outros países do Mediterrâneo, elege o vinho. A nível nacional, consome-se 14,6 litros de álcool per capita, por ano, mais 2,4 que a média europeia. Em 2003, por cada cem mil portugueses, 30 morreram de cirrose.

Portugueses ainda bebem mais do que europeus

Organização Mundial de Saúde (OMS) e Instituto da Droga e da Toxicodependência estão preocupados com comsumo de álcool entre jovens e a procura de bebedeiras de fim-de-semana.

De acordo com o “Jornal de Notícias”, o consumo precoce de álcool e a procura das bebedeiras rápidas são duas preocupações da OMS, cujo relatório indica que a média do consumo de álcool por habitante em Portugal é superior à europeia e à mundial.