Empreendedorismo e Franchising em Portugal

Autor: Marco Lamas
Portugal partilha uma realidade comum às restantes economias europeias. Como refere um estudo do IAPMEI (2008), as PME são dominantes na estrutura empresarial nacional, representando 99,6% das sociedades do país e criando 3/4 (75,2%) dos empregos (setor privado). Efetivamente, as PME, nomeadamente as micro e pequenas empresas, assumem-se como pilar das estruturas empresariais, contribuindo para o desenvolvimento económico e social.

A assumpção do risco por parte dos seus responsáveis, a flexibilidade e a inovação que as caracteriza, na busca consciente de soluções e na criação de emprego determinam a sua importância. O Franchising tem um papel fundamental nesta área, promovendo a criação de inúmeras microempresas.

O protagonismo do Franchising é cada vez maior em Portugal; o número de marcas, em particular de marcas nacionais, a criação de emprego e o volume de negócios tem vindo a crescer, acentuando-se esse crescimento no período de 2006 a 2009 como revelam as recentes estatísticas divulgadas (setembro, 2010 – EFF e associações nacionais de Franchising). Apesar deste crescimento, tal como noutros setores da economia, continuamos a ter um elevado número de insucesso e falência nos primeiros anos de atividade.

Sabemos que existem inúmeras vantagens e desvantagens associadas ao modelo de negócio do Franchising, tal como em qualquer outro modelo de negócio; das principais causas de insucesso, salientamos aqui a falta de formação e, por inerência, de competências necessárias para a gestão e expansão de uma empresa franchisada e mesmo franchisadora. A verdade é que a maior parte das empresas franchisadoras, na venda da franquia, incluem já uma Formação inicial. Todavia, apesar dos manuais e conteúdos das formações apresentarem, em alguns casos, uma qualidade de referência, preferencialmente, incidem no know-how e na assistência técnica, específicos do produto/serviço a comercializar, esquecendo componentes fundamentais – a comportamental e a técnica que sustentam o próprio know-how.

Consideramos, pois, que é necessária uma aposta por parte dos franchisadores e dos franchisados numa formação técnica, nas suas múltiplas vertentes – Estratégia, Finanças, Projetos de investimento, Marketing, etc. A aposta numa formação técnica possibilitará o desenvolvimento de competências empresariais, as quais implicam também uma formação comportamental que promova, em paralelo, o desenvolvimento de competências empreendedoras – Liderança, Motivação, Trabalho de equipa, entre outras, potenciando processos e procedimentos de gestão e, consequentemente, viabilizando o aumento das vendas.

A formação será sempre a alavanca para a diferença, que se procura para o tecido empresarial e para uma cultura empreendedora, ainda incipiente, que se quer e deseja fortalecida. O facto da União Europeia e da UNESCO, apontarem para a necessidade de um espírito e de uma cultura empreendedora reforçam esta ideia.

Fonte: Ptjornal

Anúncios

Formação IES powered by INSEAD

INSCRIÇÕES ABERTAS até ao dia 19 de Setembro. Embora já com bastantes candidaturas de muita qualidade recebidas, o IES vai ao encontro dos inúmeros pedidos para alargar o prazo de candidaturas devido ao período de férias. Pode-se inscrever no ISEP até 19 de Setembro em www.ies.org.pt ou enviando o formulário para ester@ies.org.pt.

O ISEP Portugal vai realizar-se de 17 a 21 de Outubro em Cascais, para líderes ou gestores de projectos que visam o impacto social já implementados há pelo menos 2 anos e que querem aprender e praticar ferramentas para acelerar o crescimento, potenciar a escala, avaliar o impacto e desenvolver competências de liderança e inovação.

ISEP é o único programa de gestão adaptado a Empreendedorismo Social com qualidade INSEAD em Português.

A turma do I ISEP Portugal vai reunir um grupo de excelência de gestores e empreendedores de iniciativas já implementadas com forte missão social para acelerar o seu desenvolvimento e potenciar a transformação social. Podem também participar técnicos, investidores, gestores e pesquisadores que queiram entender a lógica do Empreendedorismo Social e como melhor podem apoiar e trabalhar com projectos sustentáveis.

A formação, capacitação e ligação em rede de Empreendedores Sociais é uma aposta do IES para transformar ideias, energia e projetos em soluções efetivas, inovadoras, escaláveis e com impacto social.

O ISEP Portugal é um programa dinâmico que alavanca competências e conhecimento em gestão do INSEAD e a experiência de terreno do IES para desenvolver a melhor formação em português para empreendedores e gestores sociais. Consiste numa semana intensiva com uma mistura equilibrada entre conhecimento académico e análise de casos práticos sobre a inovação de modelos de negócio, gestão de organizações híbridas, liderança, desafios e processos de expansão, crescimento e sustentabilidade.

Programas de Formação IES Powered by INSEAD

A relação de parceria com o INSEAD é, desde o início, um dos pilares da estratégia do IES de produzir e promover conhecimento de excelência em Empreendedorismo Social. O INSEAD, (escola de gestão no top 5 mundial) conta com uma larga experiência na área de Empreendedorismo Social, tendo criado o ISEP, um programa de formação de executivos pioneiro a nível mundial.

O IES tem acesso ao conhecimento de ponta do INSEAD e adapta programas já com histórico de êxito para o mundo português. Vai incluir casos de sucesso e boas práticas da CPLP que serão depois partilhados na rede do INSEAD. Levando também o que melhor se faz em português para o resto do Mundo.

Em 2011, com o apoio de Fundação EDP e Câmara Municipal de Cascais estão a ser desenvolvidos e realizados dois programas de Formação IES Powered by INSEAD, em Português: o ISEP (com uma edição em Outubro) e o Bootcamp para futuros empreendedores sociais (com edições em Junho e em Setembro). As primeiras edições do Bootcamp receberam nota máxima pela qualidade e relevância dos conteúdos e dinâmicas, e pela oportunidade única de fazer parte de uma rede de agentes de mudança.

Mais informações em: IES.org

Para quem quer lançar ou conceber um projecto de Empreendedorismo Social

Inscrições até ao dia 7 de Agosto, em http://www.ies.org.pt.

Os programas em Empreendedorismo Social IES powered by INSEAD alavancam competências e conhecimento em gestão do INSEAD para desenvolver a melhor formação para empreendedores sociais, actuais e futuros, em português. Formação dinâmica e pioneira que transforma ideias, energia e projectos com Impacto Social sustentável.

O Bootcamp em Empreendedorismo Social é um programa de formação com base num modelo de ensino inovador, oferecendo a oportunidade de uma aprendizagem em ambiente aplicado e equipa os futuros empreendedores com ferramentas para a criação de um modelo de negócio social. No final do programa, todas as iniciativas são apresentadas a um painel de investidores sociais, e as três melhores têm a oportunidade de receber capacitação e apoio à implementação, posteriormente ao programa.

Após o sucesso do Bootcamp para as 10 ideias finalistas do Programa FAZ- Ideias de Origem Portuguesa (promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Talento) e do I Bootcamp em Cascais, no qual participaram 32 estudantes universitários, agora é a vez do Norte do País receber o II Bootcamp, de 16 a 18 de Setembro em Vila Real! Destina-se a 30 pessoas com forte perfil de Empreendedor Social, tanto porque querem começar uma nova iniciativa com impacto social e/ou ambiental ou porque já têm um projecto em fase de lançamento.

A formação, capacitação e ligação em rede de Empreendedores Sociais é uma aposta do IES para potenciar soluções efectivas com impacto social, de forma inovadora, partilhada e sustentável. Os programas IES powered by INSEAD foram lançados em 2011, numa parceria pioneira a nível mundial e com o apoio dos Mecenas Câmara Municipal de Cascais e Fundação EDP. As inscrições para os 30 lugares disponiveis encerram esta semana dia 7 de Agosto. Para os melhores candidatos existem bolsas disponiveis dos Mecenas.

A avaliação feita pelos participantes dos Bootcamps em Empreendedorismo Social de Junho, comprovam a relevância e qualidade dos programas IES powered by INSEAD.

60 participantes criaram e desenvolveram cerca de 20 soluções que contribuem para resolver problemas sociais e/ou ambientais de raiz. Tudo em Português e promovendo a implementação das melhores práticas por todo o país. Continuar a ler

A mania dos bonecos na publicidade de Macau

Serão poucos ou nenhuns os residentes de Macau que nunca repararam nos cartazes e brochuras animadas do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM). Nas personagens que apelam para que os cidadãos de Macau “não arremessem objectos para rua”, “jamais descurem a higiene domiciliária” ou “não cuspam no chão” que até têm nomes e pertencem a uma “família”.
O “Harmonioso”, o “Gorducho”, a “Sra. Bela”, o “Velhote” e o “Cãozinho” são alguns dos protagonistas coloridos da “Família de Alegria” criada pelo Gabinete do Cidadão para divulgar a consciência cívica, protecção ambiental, protecção dos animais e segurança alimentar no formato papel. Mas até que ponto é que a mensagem passa apresentada naquele formato? Porquê a opção estilística e para quem é dirigida?
O Hoje Macau falou sobre o assunto com os responsáveis pela máquina publicitária do gabinete governamental e dois designers locais.
“Não permita que o seu animal de estimação faça as suas necessidades em qualquer sítio” é uma das dezenas de mensagens espalhadas pela cidade pela Rede sobre Informações da Formação Cívica do IACM. No cartaz, o cartoon do pequeno “Harmonioso” e o seu “Cãozinho” sorridente pela trela. “Usamos personagens de uma família nos nossos anúncios porque funciona como elemento de proximidade. Construímos uma história para as nossas campanhas de educação cívica que começa por ser primeiro dirigida ao indivíduo, depois à família, à comunidade e enfim a toda a cidade”, explica Patsy Ko, chefe do Gabinete do Cidadão do IACM. “Com o aumento da chegada de trabalhadores não residentes e turistas, a higiene da cidade está pior do que antes, e é o dever do IACM fazer este trabalho comunitário para minorar o problema”, justifica.
O gabinete tem uma Divisão de Formação e Informação Cívica constituída por 18 pessoas que se responsabilizam pelas campanhas, que vão desde os seminários, workshops e projecção de filmes à publicidade através de diversos meios de comunicação como cartazes, banners, ‘spots’ televisivos ou transmitidos na rádio, publicidade nos jornais e internet. A maioria recorre ao cartoon.

Ler a notícia completa no Hoje Macau

O quinto Anual Forrester Groundswell Awards, e um olhar para trás

por Josh Bernoff

Tivemos esta ideia em 2007, em que pudéssemos planear a melhor, mais interessante e mais eficaz aplicação sociais com um sistema de prémios. Na época, eu não me apercebi completamente da quantidade fascinante dos mais diferentes programas que nós encontramos. Por isso, continuamos a fazê-lo.

O objetivo deste post é duplo – anunciar oficialmente e abrir o site para inscrições dos prémios de 2011, e comemorar algumas das entradas mais surpreendentes dos últimos cinco anos.

Primeiro os factos. As inscrições para o Prémio 2011 da Forrester Groundswell estão abertas aqui (ou basta clicar na guia acima Awards.) Se você quer vencer, começe por ler as regras aqui. A coisa mais importante que deve lembrar é que a entrada é pública – o texto de sua entrada está disponível para toda a gente ver e votar – e que os juízes da Forrester Research darão muito mais valor aos resultados do que ao frenesim criado. Então não se esqueça de incluir os factos e números que comprovem a realização da sua aplicação como meta de negócios. Lembre-se que você pode incluir um link para qualquer informação adicional que quiser, em qualquer lugar na web.

Continue a ler aqui o artigo explicativo

Como nomear um Herói CNN?

A caminhada de um herói CNN para o reconhecimento global começa com uma indicação de alguém que foi tocado pelos seus esforços – alguém como você, que quer partilhar a sua história com o mundo.

A História tem mostrado que grandes coisas podem ser feitas por aqueles que foram selecionados como CNN Heroes:

  • Andrea Ivory quase dobrou a quantidade de mamografias gratuitas que oferecia a mulheres carentes no sul da Flórida;
  • Doc Hendley, de Boone, na Carolina do Norte, expandiu os seus sustentáveis ​​sistemas de água limpa em três continentes, bem como na devastação provocada pelo sismo do Haiti;
  • Dan Wallrath, de Houston, no Texas, e a sua organização, Operation Finally Home, dobrou o número de casas construídas para os veteranos feridos;
  • Anne Mahlum expandiu o seu programa de alojamento Filadélfia para desalojados em oito cidades diferentes pelo país.
  • Jordan Thomas de Chattanooga, no Tennessee, providenciou próteses para as crianças em três países.

Você conhece uma pessoa comum que esteja a mudar o mundo? É fácil nomeá-los como um herói da CNN. Aqui estão algumas sugestões que esperamos que ajudem na elaboração da sua nomeação.

Reflicta sobre o que faz do seu herói, alguém especial. Pergunte-se: O que faz o meu candidato de único? Que realização específica realmente notável, ele ou ela tem alcançado? Qual o impacto que o seu trabalho teve nos outros? Recomendamos que assista a alguns vídeos do CNN Heroes anterior, para se familiarizar com as realizações de indivíduos inspiradores que honramos como “pessoas comuns a mudar o mundo.”

Dê uma olhadela no nosso formulário de candidatura. Sugerimos que você revisione as informações solicitadas sobre si mesmo, o seu candidato e o seu trabalho antes de submeter o questionário.

Fale-nos sobre o seu herói! Leve o seu tempo e escreva com o coração. Lembre-se: O que você partilha – nas suas próprias palavras – é o factor mais importante na promoção de uma nomeação para uma análise mais aprofundada. Você pode digitar as respostas às perguntas de desenvolvimento diretamente no formulário, ou gravá-las primeiro num documento Word e “cortar e colar” em cada campo de resposta. Por favor, note que as informações fornecidas serão usadas de acordo com a nossa política de privacidade.

Clique em “Enviar”. Se a sua nomeação foi transmitida com sucesso, você verá um “obrigado” na mensagem da sua tela. Se nos forneceu o seu endereço de e-mail, vamos também enviar uma confirmação de que sua nomeação tenha sido recebida. E sim, nós lemos todas e cada uma.

E é isso! As nomeações para o CNN Heroes 2011 permanecerá aberta até 31 de agosto de 2011.

Para consultar as perguntas mais frequentes sobre este prémio, vá à página oficial da CNN

A história de Catarina Caio e da sua “empresa” solidária.

Catarina Caio tem apenas 7 anos de idade, mas já é directora da “Poupa Empresa”, por si criada. Do mealheiro, no qual vai juntando moedas de um e dois euros, saíram já 950 euros para benefício de outras pessoas. A ideia de poupar para dar a quem precisa surgiu em Janeiro passado, quando os pais planeavam o orçamento da família residente na Amora, Seixal.
“Estavam sempre a falar em dinheiro e eu lembrei-me. Os outros se calhar precisam mais do que eu. Há muita gente para ajudar”, afirma a aluna do 1º ano, que deseja partilhar por “muito tempo”. Considerada “rígida” pelos trabalhadores – pai, mãe e irmão de 11 meses -, a pequena directora definiu como tarefa principal angariar moedas junto de amigos, havendo já uma dezena de contribuintes regulares. A primeira doação foi ideia da própria Catarina, que conheceu um sem-abrigo e ficou sensibilizada. A “Poupa Empresa” começou, assim, a sua acção a contribuir para a compra de uma placa de fogão para uma casa de saída de rua, montada pela associação “Mais Vida”, em Moscavide.
Seguiu-se, por sugestão do pai e da mãe, o apoio ao movimento “Desafio Jovem” de Fanhões, que ajuda jovens a largar a droga, e à associação Cruz Azul, que presta auxílio a alcoólicos no Seixal. “Dei também a uma senhora que precisava, porque o marido morreu e ela ficou com os dois filhos”, acrescenta a Catarina, com timidez. Para a família Caio, dar é um estilo de vida. “É um privilégio poder partilhar também dinheiro com as outras pessoas. Ficamos contentes por ela ter tido esta ideia, mas não queremos protagonismo. É uma ideia que pode ser aproveitada por todas as pessoas”, realça o pai Paulo.
Já a mãe Vanda lembra o início de tudo: “quando ela falou disto pensámos que fosse uma brincadeira natural da idade, mas depois levou a sério”. Actualmente, o mealheiro da “Poupa Empresa” tem 21 moedas. Poucas para a Catarina. “Agora tenho de poupar para dar outra vez”, salienta a aspirante a médica, que pratica ginástica acrobática e gosta de desenhar, dançar e cantar. A mentora do projecto, que faz um segundo mealheiro para o seu futuro, não tem noção do dinhei ro que já juntou. Só da sua utilidade. “Há pessoas que precisam mesmo e de coisas muito mais importantes”, realça, aludindo à Nintendo que comprou com o que juntou noutro mealheiro.

Fonte: Jornal de Notícias