Terão as ONG’s um futuro?

Michael Edwards é um escritor independente e activista oriundo de Nova York, que é afiliado com as demonstrações Nova-Iorquinas em “think tanks”, e com a Brooks World Poverty Institute da Universidade de Manchester, no Reino Unido. De 1999 a 2008 ele foi o Director do Programa de Governança e Sociedade Civil da Fundação em Nova York, tendo trabalhado anteriormente no Banco Mundial, Oxfam-GB, Save the Children do Reino Unido e outras ONGs em Washington DC, Londres, Colômbia, Zâmbia, Malawi e Índia. Os seus textos ajudaram a moldar uma maior apreciação crítica do papel global da filantropia e da sociedade civil, quebrando as barreiras entre estudiosos e activistas em todo o mundo.

Veja o vídeo da Mike seguindo este link.

Anúncios

2.ªs JORNADAS ÉTICO-JURÍDICAS SOBRE A INFECÇÃO VIH-SIDA “Os Profissionais de Saúde, os Hospitais e o VIH/SIDA”

FUNDAÇÃO PORTUGUESA “A COMUNIDADE CONTRA A SIDA”

CENTRO DE DIREITO BIOMÉDICO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BIOÉTICA

SERVIÇO DE BIOÉTICA E DE ÉTICA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

2.ªs JORNADAS ÉTICO-JURÍDICAS SOBRE A INFECÇÃO VIH-SIDA
“Os Profissionais de Saúde, os Hospitais e o VIH/SIDA”

Biblioteca Almeida Garrett, Porto
1 de Abril de 2011

Com o Alto Patrocínio de Sua Excelência,
o Presidente da República Continuar a ler

Organização de ideias TED implementa o seu segundo evento na cidade invicta

A cidade invicta vai receber a segunda edição do TEDx O’ Porto. No dia 21 de Março a Casa da Música cede o seu espaço e recebe oradores de todo o mundo para partilhar ideias que pretendem revolucionar a forma como se olha a realidade.

TED, parece o nome de uma personagem de série animada, mas está longe disso. É uma organização composta por pessoas que dedicam o seu tempo a encontrar indivíduos excepcionais e a promover conferências.

Esta já é a segunda edição de um evento TED na cidade Invicta. Distingue-se da primeira pela confirmação de alguns oradores internacionais como Julian Treasure, que esteve presente no TEDGlobal 2009.

Participar num colóquio TED é pedir para ser surpreendido. O orador é convidado partilhar, em apenas 12 minutos, uma ideia, visão ou experiência que revolucionou a forma como este encara o mundo.

Para William Uri acabar com os conflitos no Médio Oriente deixou de ser impossível e Zainab Salbi sabe que a resposta para qualquer guerra é colocar as mulheres na mesa das negociações.

Fonte: Lusa

Ted Independentes (TEDx)

As conferências começam nos EUA em 1984, mas o seu sucesso ultrapassou fronteiras e, assim sendo, têm vindo a ser promovidos eventos TED de forma independente. O TEDx O’ Porto é apenas um destes casos. A ideia original mantém-se, mas a organização está a cargo de um grupo de jovens portugueses.

Só em Janeiro de 2011 estão previstos mais de 40 eventos TEDx submetidos a temas como Mulher ou Juventude. O Pensar, materializado na escrita ou na fala é a expressão maior de liberdade, tal como George Orwell faz saber no seu livro “1984”. Portanto, é com curiosidade que se observa TEDx realizarem-se nos quatro cantos do mundo.

Em Portugal foram três jovens que abraçaram este desafio. Sob o tema “Oficina de Talento”, convidaram António Câmara (YDreams), Tiago Forjaz (Fundação Talento), Fred Oliveira (WeBreakStuff), Leo Xavier (Quodis), Miguel Martins (Instituto Empreendedorismo Social, entre outros.

Com expectativas mais modestas, no ano passado o evento realizou-se um espaço com 400 lugares, visivelmente insuficientes para as 4 mil candidaturas que a organização afirma ter recebido. Este ano, estão previstos 1200 lugares na Casa da Música e as inscrições já podem ser feitas, através do site http://tedxoporto.com/. Participar tem um custo de 100 euros (inclui almoço, lanches, ofertas e DVD com vídeos das palestras).

Oradores Confirmados TEDx O’Porto 2011:

Manuela Gonzaga foi Jornalista durante 30 anos, abandonou a profissão para se dedicar à investigação a tempo inteiro. Mestre em História, já publicou nove livros que variam da comédia de costumes à psicologia.

Julian Treasure foi baterista e actualmente estuda o som. Acredita que os sons que nos rodeiam influenciam o nosso estado de espírito e produtividade. Julian esteve no TEDGlobal 2009 e é autor do livro Sound Business.

Gmb Akash é um fotógrafo premiado que vê a fotografia não só como arte, mas também como uma poderosa ferramenta que lhe permite transmitir mensagens e produzir mudanças sociais.

Peter Joseph é produtor, cineasta, guionista e realizador dos seus próprios filmes (feitos no âmbito do Movimento Zeitgeist). O próximo filme de Peter debruçasse sobre o desenvolvimento de um novo sistema económico.

Bento Amaral ficou tetraplégico aos 25 mas não deixou que isso travasse a sua vida. Licenciou-se em Engenharia Alimentar e qualificou Portugal para os paralimpícos de Pequim na modalidade de vela. Actualmente participa de forma regular em debates sobre a integração completa de deficientes em todas as esferas sociais.

Mark Boyle – “The Moneyless Man” é um ex-empresário desiludido com o sistema económico e social. Decidiu mudar completamente e hoje vive numa roulotte e sobrevive dos recursos que ele mesmo planta, cria ou troca. Para Mark o consumismo é reflexo do desapego da sociedade aos bens essenciais materiais (sempre tão acessíveis) e esse consumismo.

Celso Grecco foi o criador da primeira Bolsa de Valores Sociais. Actualmente é consultor em Responsabilidade Social, Sustentabilidade e Investimento Social no Brasil.

Joaquim Borges Gouveia é Professor Catedrático do Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial da Universidade de Aveiro e vai estar no TEDx O’Porto a falar sobre o “Desabrochar das Ideias”.

Reflexão sobre a actualidade da comunidade terapêutica

O Instituto, World Federation of Therapeutic Communities (WFTC) de Génova, reuniu 200 pessoas dos 52 países representados na WFTC que estão envolvidos e comprometidos com o trabalho das comunidades terapêuticas e que contribuem com uma resposta ao abuso de substâncias globais e problemas relacionados.

Declaração dos participantes

Génova, 18 de Outubro de 2010 – As comunidades terapêuticas trabalham para ensinar pessoas a se reuniram numa comunidade, fazendo uso dela e ajudando a si mesmos atingir o mais alto nível possível de saúde física, mental e social. Servem também para alcançar o bem-estar, recuperar o sentido de coisas e valores que transcendem a auto-espiritualidade, e descobrir, por fim, uma nova filosofia de vida.
As comunidades terapêuticas têm trabalhado na assistência de pessoas com problemas de substância, em mais de 50 anos. Nesse tempo, muita coisa mudou:

  • o número de organizações envolvidas tem aumentado substancialmente, assim como a gama de serviços e intervenções oferecidas;
  • neste contexto, através de uma falta de compreensão, as comunidades terapêuticas em alguns países, têm sido usadas como último recurso para aqueles que não foram capazes de utilizar de uma forma convincente os outros serviços disponíveis ao invés de uma intervenção adequada, baseada na evidência da eficácia;
  • o quadro legislativo e regulamentar mudou, proporcionando novas oportunidades de serviços, mas também impondo exigências que poderão enfraquecer ou comprometer a eficácia da comunidade terapêutica;
  • aprendemos muito mais sobre a complexidade dos problemas vividos por aqueles que procuram a nossa ajuda, incluindo, por exemplo, abuso sexual na infância, problemas de saúde mental e graves problemas sanitários e sociais, muito para além dos típicos problema de drogas, desenvolvendo a nossa capacidade de resposta;
  • os múltiplos problemas vividos por aqueles que vêm ter conosco, exigindo várias intervenções em cada modalidade de tratamento que possam atender a essas necessidades complexas, embora o sistema de financiamento não reflicta esse fenómeno;
  • o contexto em que actuamos também mudou, com novas formas de dependência, uma ampla gama de substâncias utilizadas isoladamente ou em combinações, a normalização do uso de substâncias e o enfraquecimento de conceitos e comportamentos que suportam a solidariedade social e comunitária em favor do individualismo;
  • o peso acumulado das provas recolhidas ao longo dos anos tem demonstrado a eficácia da comunidade terapêutica em termos de resultados individuais e sociais e em termos de relação custo-eficácia;

Ler a declaração completa e original em dianova.org

Projecto «Janela Aberta à Família» aborda o tema «Afectos e regras na educação»

«Afectos e regras na educação» será o tema da segunda sessão de vídeochat promovida pelo projecto «Janela Aberta à Família», marcada para a próxima sexta-feira, 10 de Dezembro, pelas 21:30 horas.

Iniciado pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve e pelo Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT), em Setembro de 2007, este projecto visa o apoio continuado aos pais assente no pressuposto simples de ser a família o primeiro grande suporte afectivo e de aprendizagem social da criança.

O novo serviço em formato de videochat, apresenta-se como um serviço inovador, sobretudo na área da saúde, criando-se mais um canal interactivo onde os pais poderão pedir esclarecimentos e/ou apoio de profissionais de saúde relativamente à educação dos seus filhos.

Para esta segunda sessão, os técnicos convidados serão Mónica Mexia (psicóloga do IDT) e António Pina (médico do IDT e coordenador do projecto), que estarão disponíveis para responder e prestar esclarecimentos aos pais sobre esta temática.

A entrada no videochat é livre e não necessita de inscrição prévia. Para terem acesso ao novo serviço, os pais deverão obrigatoriamente entrar na sala denominada «JanelaAberta», para participar na sessão.

As famílias podem inscrever-se nos hospitais do Algarve ou através do site do projecto, sendo que o apoio é dado através de correio postal e electrónico, pela Web ou na rede social no Facebook.

Fonte: Diário Online.

Conferência sobre Sida: Prevenção, Informação e Diagnóstico

O presidente da Associação para o Estudo Clínico da Sida e director do Hospital Joaquim Urbano, Paulo Sarmento e Castro, defendeu hoje a generalização do teste VIH a nível nacional, seguindo, assim, o exemplo de países como a França que estão a apostar na realização de rastreios à população.
“É preciso generalizar a realização de testes de HIV a nível nacional” para mais precocemente se tratar a doença, declarou Paulo Sarmento e Castro na Conferência Sida Prevenção, Informação e Diagnóstico, que se realizou hoje de manhã no Centro Cultural de Belém.
Paulo Sarmento e Castro destacou os enormes avanços que a doença tem conhecido em Portugal, mas há ainda muita coisa que falta fazer. “É preciso insistir na prevenção; é preciso convencer as pessoas a fazer o teste, discutindo-o com o seu médico no centro de saúde”, sublinhou. Mas o presidente da Associação para o Estudo Clínico da Sida não esqueceu a cooperação e nesse sentido pediu um compromisso para que todas as estruturas se mobilizem na luta contra o vírus VIH/Sida em África e em algumas zonas da Ásia, onde falta ainda muita coisa. A título de exemplo, disse que em Moçambique apenas um terço dos portadores do vírus da sida recebem tratamento e que 16 por cento das grávidas estão infectadas.

Ler o resto da notícia em: publico.pt