“Nonprofit Answer Guide” para profissionais do terceiro sector disponível online

 

É um serviço “tira-dúvidas”, que dá respostas a perguntas que frequentemente ocorrem a executivos, gestores e profissionais do sector não lucrativo. Chama-se Nonprofit Answer Guide e promete respostas concisas a questões operacionais e de gestão. Em destaque estão ainda as novas tendências do segmento não lucrativo.

“O nosso sector [o não lucrativo] está a mudar constantemente e é cada vez mais escrutinado. E quando se está focado na missão, nem sempre é fácil manter-se a par das últimas tendências de liderança ou dos requisitos legais”. É assim que é apresentado o site Nonprofit Answer Guide, um projecto da autoria do Center for Nonprofit Management & Cause Communications, que estima que a leitura de cada resposta demore dois minutos. Aliás, o “site-guia” faz gala desse número redondo: “2-Minute Answers for Busy Nonprofits”.

O portal dispõe de respostas a perguntas mais frequentes (as famosas Frequently Asked Questions – FAQ)  sobre “Liderança & Inovação”, Aspectos Legais”, “Conselhos de Administração e Governance”, “Finanças”, “Angariação de fundos”, “Tecnologias”, “Marketing e comunicação”, “Plano estratégico”, “Avaliação” e “Gestão de Pessoas”.

Na secção “Liderança”, por exemplo, o guia propõe-se a dar eco a uma “visão panorâmica maior” do sector não lucrativo ao gestor que ambiciona ser líder. Expondo boas práticas e tendências de liderança, esta secção debruça-se sobre como “injectar a visão [do líder] de modo a avançar com a missão na organização”, refere o guia.

Já o espaço reservado aos “Conselhos de Administração e Governance discrimina responsabilidades éticas e legais que devem orientar a actuação de um membro do conselho de Administração de uma organização do terceiro sector. De entre os conteúdos disponíveis, poder-se-ão ler “as melhores práticas relacionadas com operações do Conselho, recrutamento, angariação de fundos e comunicação interna”.

“Como pode esta secção ajudar [os profissionais deste sector]?” A resposta à questão inscrita na área alusiva ao “Marketing e Comunicação” desdobra-se num inventário de dicas relacionadas com planeamento estratégico de comunicação. O ‘cicerone’ virtual partilhará com os profissionais do sector orientações no sentido das organizações estabelecerem uma identidade corporativa e um posicionamento próprios, desenvolverem mensagens-chave e “contar ‘estórias’”.

O Nonprofit Answer Guide inclui ainda uma secção chamada “Ask Our Experts” (“Pergunte aos nossos especialistas”, em português), que inclui questões endereçadas pelos leitores do site. Entre os contributos mais recentes podem ler-se respostas às perguntas “O que precisam as organizações sem fins lucrativos de considerar numa economia volátil?” ou  “Onde podemos aplicar tecnologia na nossa organização e que tipos de ferramentas estão disponíveis?”

 

 

Anúncios

Escócia com primeiro preço mínimo para álcool da Europa, lobbie do sector contesta nova lei

Representantes das indústrias dos vinhos e das bebidas espirituosas juntaram-se à Scotch Whisky Association numa batalha legal. O objectivo desta “frente comum”, de acordo com o portal Euractiv, é impedir a criação de um preço mínimo do álcool, já aprovada no parlamento escocês.

Preço mínimo do álcool integra lei pioneira na Europa

 

Foi aprovada em Maio, sem margem para dúvidas, uma lei que introduz um preço mínimo de 63 cêntimos por unidade de álcool, o primeiro preço mínimo juridicamente vinculativo dentro da União Europeia.

A partir de Abril de 2013, as promoções das bebidas alcoólicas serão proibidas na Escócia. A nova lei tem como objectivo reduzir o abuso do consumo – e assim melhorar a qualidade de saúde dos cidadãos e reduzir os níveis de crime no país.

Na quinta-feira passada, dia 19, a Organização Europeia de Bebidas Espirituosas (CEPS) e o Comité dos Vinhos – a representar os produtores de licores e vinhos, respectivamente – reuniram-se no Supremo Tribunal da Justiça escocês para interpôr uma acção, de forma a desafiar o governo escocês a rever esta decisão.

 

Um precedente na Europa?

Esta “frente comum” alega que a medida constitui uma barreira ilegal ao mercado e que discrimina as empresas do sector face às outras e não resolve o problema do consumo nocivo.

A lista de argumentos continua: a fixação de um preço mínimo é ilegal no quadro das leis europeias e mundiais da concorrência e deitará por terra os esforços da indústria de whisky escocesa em contrariar os controlos de preços e as altas tarifas nos mercados externos.

Os produtores europeus do sector temem que esta novidade represente um precedente para os outros Estados-membros da União Europeia, no seio de uma Europa que está na linha da frente do consumo global de álcool per capita. O Reino Unido e a Irlanda estão a ponderar introduzir uma lei no mesmo sentido da escocesa.

Uma das esperanças que alimenta os produtores de vinhos e licores é a discussão desta lei na Comissão Europeia, que terá que ser proposta por um estado-membro. Os empresários acreditam que a Comissão apresentará uma objecção formal à lei do preço mínimo por unidade aprovada no Parlamento escocês, por manipular o mercado.

A lei europeia é clara. O preço mínimo é uma barreira ilegal ao mercado. Nós estamos completamente de acordo que o abuso do álcool deve ser combatido, mas através de outras medidas mais eficazes, sem criar barreiras ao mercado”, comentou Paul Skehan, director-geral da Organização Europeia das Bebidas Espirituosas.

 

Uma lei-salvadora, defendem as associações da área da saúde

Por sua vez, as associações de saúde apoiam a nova lei votada no parlamento escocês. Monika Kosińska, secretária-general da European Public Health Alliance (EPHA), espera, aliás, que outros governos da União Europeia sejam “encorajados por esta mudança”, e acredita que, se a lei for aplicada no resto da Europa, “irá salvar muitas vidas anualmente”.

A ministra da Saúde, Nicola Sturgeon, reconhece que a introdução da lei será adiada, face a esta iniciativa da Scotch Whisky Association, mas garante que vai “defender vigorosamente” esta novidade legislativa. “Esta medida (o preço mínimo) irá ajudar a Escócia a alcançar uma ‘mudança cultural’ nas suas atitudes prejudiciais à saúde no que toca ao álcool”, afirmou Sturgeon.