Empreendedorismo e Franchising em Portugal

Autor: Marco Lamas
Portugal partilha uma realidade comum às restantes economias europeias. Como refere um estudo do IAPMEI (2008), as PME são dominantes na estrutura empresarial nacional, representando 99,6% das sociedades do país e criando 3/4 (75,2%) dos empregos (setor privado). Efetivamente, as PME, nomeadamente as micro e pequenas empresas, assumem-se como pilar das estruturas empresariais, contribuindo para o desenvolvimento económico e social.

A assumpção do risco por parte dos seus responsáveis, a flexibilidade e a inovação que as caracteriza, na busca consciente de soluções e na criação de emprego determinam a sua importância. O Franchising tem um papel fundamental nesta área, promovendo a criação de inúmeras microempresas.

O protagonismo do Franchising é cada vez maior em Portugal; o número de marcas, em particular de marcas nacionais, a criação de emprego e o volume de negócios tem vindo a crescer, acentuando-se esse crescimento no período de 2006 a 2009 como revelam as recentes estatísticas divulgadas (setembro, 2010 – EFF e associações nacionais de Franchising). Apesar deste crescimento, tal como noutros setores da economia, continuamos a ter um elevado número de insucesso e falência nos primeiros anos de atividade.

Sabemos que existem inúmeras vantagens e desvantagens associadas ao modelo de negócio do Franchising, tal como em qualquer outro modelo de negócio; das principais causas de insucesso, salientamos aqui a falta de formação e, por inerência, de competências necessárias para a gestão e expansão de uma empresa franchisada e mesmo franchisadora. A verdade é que a maior parte das empresas franchisadoras, na venda da franquia, incluem já uma Formação inicial. Todavia, apesar dos manuais e conteúdos das formações apresentarem, em alguns casos, uma qualidade de referência, preferencialmente, incidem no know-how e na assistência técnica, específicos do produto/serviço a comercializar, esquecendo componentes fundamentais – a comportamental e a técnica que sustentam o próprio know-how.

Consideramos, pois, que é necessária uma aposta por parte dos franchisadores e dos franchisados numa formação técnica, nas suas múltiplas vertentes – Estratégia, Finanças, Projetos de investimento, Marketing, etc. A aposta numa formação técnica possibilitará o desenvolvimento de competências empresariais, as quais implicam também uma formação comportamental que promova, em paralelo, o desenvolvimento de competências empreendedoras – Liderança, Motivação, Trabalho de equipa, entre outras, potenciando processos e procedimentos de gestão e, consequentemente, viabilizando o aumento das vendas.

A formação será sempre a alavanca para a diferença, que se procura para o tecido empresarial e para uma cultura empreendedora, ainda incipiente, que se quer e deseja fortalecida. O facto da União Europeia e da UNESCO, apontarem para a necessidade de um espírito e de uma cultura empreendedora reforçam esta ideia.

Fonte: Ptjornal

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s