Teste de HIV positivo congela produção pornográfica nos EUA

A indústria pornográfica de Los Angeles, a mais importante do mercado norte-americano, está paralisada depois de um actor ter tido um resultado positivo num teste de HIV.

O diagnóstico inicial terá ainda de ser confirmado, mas nem por isso os intervenientes estão menos preocupados.

A representante da indústria pornográfica de LA, Diana Duke, fez já saber que as actividades só voltarão a decorrer com normalidade quando o resultado final de todos os testes for conhecido. Caso o diagnóstico venha a ser confirmado os parceiros com quem o homem actuou também vão ser testados.

Apesar desta paragem ser prejudicial a uma indústria que movimenta muitos milhares de milhões de dólares, as medidas que estão a ser tomadas são defendidas por todas as pessoas envolvidas.

Embora os participantes em filmes pornográficos sejam mensalmente testados quanto a doenças sexualmente transmissíveis, a utilização do preservativo não é obrigatória.

De acordo com a BBC, não é a primeira vez que o ramo enfrenta uma interrupção, já em 2010, o actor Derrick Burts foi diagnosticado como portador do vírus HIV.

Fonte: SOL

Anúncios

CANDIDATURAS AO PRÉMIO ACCESS●CITY 2012 PELOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES ABERTAS ATÉ 20 DE SETEMBRO

A Comissão Europeia – Direcção-Geral de Justiça abriu candidaturas até ao próximo dia 20 de Setembro para a segunda edição do “Prémio Access City 2012”, o primeiro Prémio Europeu para Cidades Acessíveis. Este Prémio tem por objectivo divulgar e premiar as cidades que tomam medidas exemplares para melhorar a sua acessibilidade para as pessoas portadoras de deficiência em aspectos fundamentais da vida nas cidades.

Esta iniciativa irá destacar as acções mais bem-sucedidas implementadas pelos Municípios que permitam às pessoas portadoras de deficiência participar plenamente na sociedade e desfrutar de acesso igualitário aos seus direitos.

O prémio faz parte dos esforços alargados da UE para criar uma Europa sem barreiras. Uma acessibilidade melhorada resulta em benefícios económicos e sociais duradouros para as cidades, em particular num contexto de envelhecimento demográfico. As cidades com pelo menos 50.000 habitantes têm até 20 de Setembro para apresentar a sua candidatura através do site www.accesscityaward.eu.

“A acessibilidade é um aspecto crucial da inclusão. O acesso às infra-estruturas, bens, serviços e informação é um pré-requisito para as pessoas portadoras de deficiência poderem exercer plenamente os seus direitos e participar de forma activa na comunidade,” afirmou a Comissária da UE responsável pela Direcção-Geral de Justiça, Viviane Reding. “Queremos garantir que as portas das nossas cidades estão abertas a todas as pessoas. Este prémio homenageia as cidades que demonstram compromisso, ambição e inovação para tornar a acessibilidade uma realidade na Europa. Através da partilha de experiências, os sucessos de algumas cidades podem servir de inspiração para outras em toda a Europa.”

Cerca de 80 milhões de cidadãos europeus são portadores de deficiência. Com o envelhecimento da sociedade, o número de pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida é cada vez maior. Além disso, a Europa é hoje uma sociedade essencialmente urbana, onde 4 em cada 5 europeus vivem em cidades. Proporcionar a todos o acesso aos transportes, espaços públicos e serviços, assim como às tecnologias, tornou-se num verdadeiro desafio. A melhoria da acessibilidade também proporciona benefícios económicos e sociais e contribui para a sustentabilidade e capacidade de inclusão do ambiente urbano.

Em consonância com a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, a acessibilidade é um dos pilares da Estratégia da UE para a Deficiência de 2010-2020, que tem por objectivo criar uma Europa sem barreiras para todos.

Elegibilidade

As Autarquias de todos os 27 Estados-Membros da EU, portuguesas incluídas, são convidadas a apresentar a sua candidatura até 20 de Setembro de 2011. As cidades que desejem participar deverão ter uma população de, pelo menos, 50.000 habitantes. Para serem consideradas, as iniciativas terão de ter sido implementadas nos últimos cinco anos.

Processo de selecção

O processo de selecção terá lugar em duas fases, com uma pré-selecção a nível nacional seguida de uma selecção final a nível europeu. Na fase do concurso europeu, um júri composto por especialistas em matéria de acessibilidade e representantes do Fórum Europeu da Deficiência seleccionará, entre os nomeados nacionais, quatro finalistas para estarem presentes na cerimónia de entrega do prémio, em Bruxelas. A cerimónia coincidirá com a Conferência do Dia Europeu das Pessoas com Deficiência, de 1 a 2 de Dezembro de 2011. O vencedor do concurso será reconhecido como o “Vencedor do Prémio Access●City 2012”.

Como novidade da edição deste ano, as cidades vão também competir por menções especiais que reconhecem sucessos e resultados notáveis na área da sustentabilidade. As menções especiais serão atribuídas pelo júri europeu com base na recomendação dos júris nacionais. Continuar a ler

Metade das mortes prematuras entre os homens seriam “evitáveis”

Sentem-se melhor do que as mulheres, vão menos ao médico de família, são mais vezes vítimas de acidentes rodoviários e de trabalho, fazem menos rastreios e descuidam a saúde mental. Um relatório sobre o estado de saúde dos homens na Europa, divulgado ontem pela Comissão Europeia, defende que metade das mortes prematuras entre os homens seriam evitáveis porque assentam em estilos de vida e comportamentos de risco.

A análise incluiu Portugal e revela que, apesar de em capítulos como a avaliação periódica da hipertensão e colesterol os homens portugueses estarem bastante acima da média, numa das principais causas de morte – o AVC -, o país surge ao lado da Grécia com os piores indicadores. O objectivo do estudo, lê-se no documento publicado no site do Ministério da Saúde, é lançar as bases para um reforço da actividade no campo da saúde masculina e apontar os principais desafios. A conclusão dos investigadores, que compararam dados estatísticos nacionais e os resultados de eurobarómetros, é que o facto de todos os anos morrerem duas vezes mais homens em idade activa do que mulheres (630 mil contra 300 mil) não tem uma explicação exclusivamente genética ou biológica A nível europeu -e na faixa etária dos 15 aos 44 anos ataxa de mortalidade chega a ser 236% maior. “A situação persiste na maioria das condições que, em termos biológicos, deviam afectar homens e mulheres da mesma forma”, escrevem os investigadores.

TABACO

O fumo lidera os factores de risco evitáveis. Segundo o relatório, estima-se que 15% de todas as mortes na União Europeia estejam ligadas ao tabaco – cerca de meio milhão de mortes prematuras por ano. A desvantagem dos homens, embora a diferença tenha vindo a cair nos últimos anos, ainda é clara: nos estudos europeus, 63% dos homens foram fumadores ou experimentaram tabaco em algum momento das suas vidas contra 45% das mulheres. O consumo de álcool tem a mesma leitura, que acaba por traduzir-se no impacto das doenças hepáticas crónicas: em 23 dos 31 países avaliados a taxa de mortalidade associada ao consumo de álcool é duas vezes maior entre os homens.

Outros problemas como a obesidade ou a diabete tipo 2, que têm aumentado a nível global, parecem estar a ter um crescimento mais galopante na população masculina, concluem os investigadores. Na faixa etária dos 15 aos 24 anos, que acaba por ditar a saúde futura, 22% dos homens têm excesso de peso (IMC superior a 25) contra 14% das mulheres. O subdiagjióstico de doenças mentais é considerado preocupante: na Europa há duas vezes mais mulheres admitidas nos serviços com depressão do que homens.

UM PROBLEMA DE PERCEPÇÃO

Além de traçarem um retrato pior da saúde masculina – onde se inclui ainda uma maior incidência de doenças infecciosas -, o facto de cerca 95% das vítimas de acidentes de trabalho serem homens, o relatório da Comissão Europeia identifica alguns problemas mais enraizados Nos sucessivos eurobarómetros os homens tendem a classificar melhor o seu estado de saúde, o que tendo em conta as estatísticas não reflecte a realidade. Embora façam mais exames ao coração do que as mulheres, a participação em rastreios do cancro é de 6% contra 16% entre as mulheres. Como justificação, os investigadores dizem que os moldes de acesso aos cuidados de saúde e a ausência de campanhas direccionadas (sabia por exemplo que a osteoporose afecta um quinto dos homens com mais de 50 anos) podem estar a afastar os homens dos cuidados de saúde. O facto de algumas consultas só estarem disponíveis durante o horário de trabalho e a percepção dos tempos de espera são algumas das barreiras apontadas. Outra mais curiosa, e que poderá fazer algum sentido, é a “falta de compreensão do processo de marcação de consultas e negociação com recepcionistas mulheres.”

Fonte: Ionline

Redes sociais podem incentivar uso de drogas e álcool

Adolescentes que usam sites como Facebook têm mais chances de se tornar dependentes de drogas e álcool, aponta um estudo da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. Os cientistas entrevistaram mais de 2.000 jovens, entre 12 e 17 anos, por meio da internet ou telefone, e descobriram que usuários de redes sociais são cinco vezes mais propensos a fumar cigarro e possuem três vezes mais chances de exagerar na bebida ou se envolver com entorpecentes.

A pesquisa americana sugere que a exposição a fotos de amigos bêbados, por exemplo, é a grande razão pela qual esses adolescentes começam a beber. O mesmo acontece com as drogas e com o cigarro.

Segundo dados do levantamento, 40% dos entrevistados têm acesso a esse tipo de material nas redes sociais todos os dias. Metade dos voluntários ainda afirma ter visto fotos de amigos bêbados, desmaiados ou usando drogas antes mesmo de completaram 13 anos, idade mínima para se cadastrar no Facebook.

“A relação das imagens com o risco de abuso de substâncias ilegais é clara. Uma foto vale mais do que mil palavras”, explica Joseph Califano Junior, fundador e conselheiro do Centro Nacional de Dependência e Abuso de Drogas, uma instituição ligada à Universidade de Colúmbia, além de ex-secretário de Saúde, Educação e Bem-estar dos Estados Unidos.

Para Califano, é preciso que as redes sociais criem mecanismos para impedir que adolescentes publiquem fotos com bebidas ou drogas em seus perfis. O especialista ressalta ainda que em geral as famílias estão alheia a essa situação. Em uma pesquisa anterior realizada com 500 pais americanos, 86% disseram não acreditar que sites do gênero possam influenciar negativamente o comportamento de seus filhos.

Fonte: VEJA

Três projectos já financiados na Bolsa social

Com praticamente dois anos de existência, a Bolsa de Valores Sociais (BVS) prepara-se para refundar o modelo de investimento do projecto numa altura em que conseguiu obter 100% de financiamento para três projectos cotados. No próximo mês vão entrar mais dois projectos para esta Bolsa, que pretende atingir o meio milhão de euros de financiamento em 2011.

Audiodescrição.pt – Ouço, Logo Vejo, Cozinhar o Futuro e Unidade Móvel de Apoio ao Domicílio são os três projectos cotados na BVS que já obtiveram 100% de financiamento, num total de 235 mil euros. Audiodescrição.pt foi o último projecto a ser concluído e parte da iniciativa da Companhia de Actores. O objectivo é a implementação da audiodescrição em todas as manifestações artísticas e culturais do País. São 20 mil euros para a aquisição de material técnico essencial à difusão deste recurso a nível nacional.

Satisfeito com a conclusão dos três projectos – estão cotados 22 na BVS e vão entrar dois em Setembro, atingindo 2,5 milhões de euros em investimentos sociais, 1300 investidores e 500 mil euros investidos -, Celso Grecco (foto), fundador em Portugal do projecto que implementou no Brasil, adianta ao DN que está a ser preparada uma nova forma de investir, aliando retomo financeiro ao social.

O modelo será apresentado na II Assembleia Geral de Accionistas, em Novembro. Celso Grecco revela que “será possível apoiar organizações sociais criteriosamente seleccionadas e, num determinado período de tempo, receber até 100% do dinheiro investido de volta”. “Este será mais um conceito inovador que a BVS vai lançar em Portugal, inédito no mundo”, frisa. “Mais do que a inovação em si própria, vai tratar-se de uma nova forma de apoiar organizações sociais que estão a gerar empregos e riqueza – razão pela qual precisam de investidores ao invés de apenas doadores – e que estão dispostas a retomar o investimento, ainda que sem lucro ou dividendos”, diz Celso Grecco.

Este responsável lembra que na BVS o donativo é sempre dinheiro “perdido”, pois “só funciona uma vez: deu, está dado e não tem volta”. “O que vamos fazer é criar um instrumento financeiro que permite que a doação seja devolvida”, frisa. Segundo Celso Grecco, “a devolução pode ser parcial (se o projecto correr mais ou menos bem), total (se for bem-sucedido) ou nenhuma, se as coisas não correrem como esperado”. Segundo Celso Greco, o novo acordo com as autoridades financeiras e do mercado de capitais de Portugal está a ser concluído.

Fonte: Diário de Notícias

Portugal lidera desigualdade

Portugal é o país da União Europeia (UE) com maiores desigualdades entre ricos e pobres. Numa altura em que se discute a possibilidade de taxar quem tem mais, os dados revelam que em Portugal os 20 por cento mais ricos auferem 43,2 por cento do rendimento disponível. É a percentagem mais alta dos 27 Estados-membros da UE.

No nosso país, os 10% mais ricos arrecadam 28% do rendimento total, a percentagem mais elevada na UE 27, com um rendimento 10,3 vezes superior ao dos 10% mais pobres, segundo o relatório do Observatório das Desigualdades que cita números do Eurostat. O Governo prepara-se para introduzir uma taxa especial sobre mais ricos, uma medida semelhante aos franceses que aprovaram um imposto transitório de 3% sobre quem ganhe mais do que 500 mil euros por ano.

Mas ao contrário de França, onde os milionários tomaram a iniciativa de se mostrarem disponíveis para ajudar, em Portugal a maioria dos detentores de grandes fortunas remete-se ao silêncio. O imposto em Portugal poderá entrar em vigor em 2012, apurou o CM, mas o Executivo não avança pormenores. O deputado do PSD Luís Menezes considera o prometo de lei do BE para taxar as grandes fortunas “meritório” mas argumentou que “a pressa é inimiga da perfeição” e que o PSD está a “estudar” a matéria.

É preciso pensar e concretizar numa medida legislativa com pés e cabeça. É assim que deve ser feito o processo legislativo, não deve ser uma corrida para estarmos na agenda mediática afirmou. O BE apresentou ontem o seu projecto para a criação de um “imposto de solidariedade sobre as grandes fortunas” incidindo no património global acima de dois milhões de euros. O imposto aplicar – se – ia sobre valores mobiliários, como quotas, acções ou obrigações, créditos, instrumentos de poupança e propriedade imobiliária.

Obrigações sociais britânicas

No Reino Unido, a contribuição para ajudar a combater a crise pedida aos milionários foi outra. O governo propôs a compra de “obrigações com impacto social” por filantropos e instituições de caridade, uma medida que pode reduzir a despesa do Estado neste sector. Segundo a ideia, os investidores recebem dividendos por cada iniciativa que resolva problemas sociais, como crime ou toxicodependência, por exemplo. O governo acredita que a iniciativa angarie fundos para combater estas situações.

Fonte: Correio da Manhã

Curso de Formação em Ética Organizacional

Fonte: Associação Portuguesa de Ética e Filosofia Prática