Projecto de descrição de imagens para cegos da autoria da Gulbenkian

Imagine que está de olhos vendados e uma voz lhe descreve, pincelada por pincelada, um quadro emblemático, com o objectivo de lhe permitir ter as mesmas sensações que teria se estivesse a ver a pintura. Uma experiência que pode ser alargada a peças de teatro, filmes ou programas de televisão. A ideia é transformar as imagens em sons que se sentem no ouvido.

É este o objectivo do projecto “Ouço, logo vejo” – uma iniciativa da Companhia Nacional de Actores que trabalha com audiodescrição para pessoas com deficiência visual. E foi no Museu Calouste Gulbenkian que Rui Vilar, presidente da Fundação, se deixou guiar pela audiodescrição no quadro que escolheu: La Table Garnie, de Henri Fantin Latour.

“Eu beneficio do facto de conhecer muito bem o quadro mas foi uma descrição muito rigorosa, de uma forma que qualquer pessoa podia segui-la”, considerou o presidente da Fundação, após a experiência de audiodescrição.

Fonte: Diário Económico

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s