Terceiro Sector e Economia Social e Solidária: algumas pistas para reflexão.

Este texto sobre Economia Social e Terceiro Sector é consequência e exercício reflexivo, sustentado em vivências como animador de proces­sos de desenvolvimento local, na participação e discussão em grupos de trabalho e ainda da necessária leitura. É, em si, um exercício de apren­dizagem, de actividade construtiva a partir de experiências reflec­tidas e de múltiplas interacções com pessoas mais capazes. Escrevendo, agudiza-se a reflexão e processa-se uma organização interna que, para um animador, poderá (?) contribuir para uma melhor intervenção e com­preensão dos processos onde a Economia Social (e Solidária), emer­ge ou se pode fazer emergir.

Assim neste trabalho, gostaria de perceber se falamos do mesmo quan­do empregamos a designação “Terceiro Sector”, “Economia Social”, Economia Solidária” ou melhor, “Economia Social e Solidária”.

Se o “social” está na agenda da actualidade, se as grandes empre­sas introduzem nas suas estratégias conceitos como responsabilidade social e responsabilidade ambiental (negócio e biodiversidade), será que estamos na presença de uma preocupação baseada em valores hu­manos, éticos e de desenvolvimento sustentável? Ou será que as em­presas tendem a encontrar formas de responder às exigências dos consumidores, cada vez mais esclarecidos, e se modelam ao mercado num esforço de constante inovação, continuando com a sua visão de lucro, rentabilidade, eficácia produtiva, criando novas necessidades de consumo ou impondo o seu crescimento exponencial?

O que representa este apelo ao social, esta entrada numa área que, durante muito tempo, foi espaço e experiência alternativas?

Esta aproximação ao social terá alterado o conceito de Trabalho/Emprego como expressão de actividade e realização humanas, dando um novo sentido ao conceito Trabalho, ultrapassando a ideia de simples factor de produção de bens, nem sempre necessários ou úteis

Apesar desta aproximação, irá a Economia continuar como o su­premo princípio e fim de toda a actividade produtiva, acentuando a con­flitualidade com o Homem e com o Ambiente, associando o acto pro­dutivo a uma relação de destruição “…que se manifesta sob a forma de atentados aos seres vivos, quer se trate do Homem (fadiga, stress, acidentes de trabalho, desemprego, pobreza, exclusão) ou da Biosfera (re­tiradas maciças, poluições contínuas e acidentais)” – Maréchal, 1999: p. 178)?

Poderemos simplesmente compreender o Terceiro Sector na pura acepção do conceito, ou seja como o Terceiro, porque existem outros dois: o Público e o Privado?

Ler o texto integral em ANIMAR

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s