A história de Catarina Caio e da sua “empresa” solidária.

Catarina Caio tem apenas 7 anos de idade, mas já é directora da “Poupa Empresa”, por si criada. Do mealheiro, no qual vai juntando moedas de um e dois euros, saíram já 950 euros para benefício de outras pessoas. A ideia de poupar para dar a quem precisa surgiu em Janeiro passado, quando os pais planeavam o orçamento da família residente na Amora, Seixal.
“Estavam sempre a falar em dinheiro e eu lembrei-me. Os outros se calhar precisam mais do que eu. Há muita gente para ajudar”, afirma a aluna do 1º ano, que deseja partilhar por “muito tempo”. Considerada “rígida” pelos trabalhadores – pai, mãe e irmão de 11 meses -, a pequena directora definiu como tarefa principal angariar moedas junto de amigos, havendo já uma dezena de contribuintes regulares. A primeira doação foi ideia da própria Catarina, que conheceu um sem-abrigo e ficou sensibilizada. A “Poupa Empresa” começou, assim, a sua acção a contribuir para a compra de uma placa de fogão para uma casa de saída de rua, montada pela associação “Mais Vida”, em Moscavide.
Seguiu-se, por sugestão do pai e da mãe, o apoio ao movimento “Desafio Jovem” de Fanhões, que ajuda jovens a largar a droga, e à associação Cruz Azul, que presta auxílio a alcoólicos no Seixal. “Dei também a uma senhora que precisava, porque o marido morreu e ela ficou com os dois filhos”, acrescenta a Catarina, com timidez. Para a família Caio, dar é um estilo de vida. “É um privilégio poder partilhar também dinheiro com as outras pessoas. Ficamos contentes por ela ter tido esta ideia, mas não queremos protagonismo. É uma ideia que pode ser aproveitada por todas as pessoas”, realça o pai Paulo.
Já a mãe Vanda lembra o início de tudo: “quando ela falou disto pensámos que fosse uma brincadeira natural da idade, mas depois levou a sério”. Actualmente, o mealheiro da “Poupa Empresa” tem 21 moedas. Poucas para a Catarina. “Agora tenho de poupar para dar outra vez”, salienta a aspirante a médica, que pratica ginástica acrobática e gosta de desenhar, dançar e cantar. A mentora do projecto, que faz um segundo mealheiro para o seu futuro, não tem noção do dinhei ro que já juntou. Só da sua utilidade. “Há pessoas que precisam mesmo e de coisas muito mais importantes”, realça, aludindo à Nintendo que comprou com o que juntou noutro mealheiro.

Fonte: Jornal de Notícias

Advertisements

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s