Wikileaks revela meandros do narcotráfico em Moçambique

Telegramas da embaixada norte-americana em Maputo, divulgados pelo WikiLeaks, revelam que Presidente moçambicano, Armando Emílio Guebuza, e antecessor Joaquim Chissano estão envolvidos com o narcotráfico.

Em Moçambique, o poder político ao mais alto nível está comprometido com o narcotráfico, revelam telegramas confidenciais da embaixada norte-americana em Maputo, divulgados pelo portal WikiLeaks, que envolvem o presidente Guebuza e o seu antecessor, Joaquim Chissano.

De acordo com diplomatas americanos, os traficantes financiaram campanhas eleitorais da Frelimo e o próprio Presidente Armando Guebuza e o seu antecessor, Joaquim Chissano. Corromperam igualmente polícias e agentes de alfândegas, além de controlarem portos e agentes nos aeroportos, o que lhes permite enviar a droga – haxixe, heroína, cocaína e mandrax – para a África do Sul ou para a Europa.

Questionado no Parlamento pelos jornalistas, o primeiro-ministro moçambicano, Aires Ali, disse que não tinha “nada a comentar”, acrescentando que essa seria uma questão a ser colocada à embaixada dos EUA.

Ler notícia completa em: expresso.pt

Clique para aceder ao índice do dossiê WikiLeaks no Expresso.

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s