Proibir acesso dos patrões ao Facebook dos funcionários

O Governo alemão está preocupado com a privacidade dos trabalhadores e apresentou ontem um decreto-lei que regulamenta a colocação de câmaras de videovigilância no local de trabalho e proíbe que o patrão espie o que os funcionários (ou candidatos a um posto de trabalho) fazem no Facebook.

A medida ganha relevância numa altura em que é prática cada vez mais frequente, um pouco por todo o mundo, os empregadores consultarem a página do Facebook dos candidatos a um lugar na sua empresa para tentar assim descobrir os hábitos privados do futuro empregado.

Nos Estados Unidos, por exemplo, também houve já casos de funcionários despedidos por falarem mal do patrão na sua página pessoal da Internet.

Se a proposta for aprovada, a Alemanha será o primeiro país a proibir os empregadores de utilizar o Facebook para contratar pessoas ou espiar os seus funcionários, noticia a Euronews.

Além desta medida, a proposta visa ainda proibir o uso de câmaras de videovigilância para vigiar os trabalhadores. As empresas deixarão assim de poder filmar clandestinamente os funcionários, sendo proibida a colocação de câmaras em espaços como as casas de banho, salas de descanso ou vestiários.

O ministro do Interior alemão, Thomas de Maiziere, afiançou à Euronews que a nova lei “protege mais os trabalhadores?, mantendo a protecção dos “direitos dos empregadores na luta contra infracções ou corrupção no trabalho?. Diário Notícias

+Ler notícia:

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s