Novo estatuto não agrada aos alunos mas é bem recebido por pais e professores

Onde os estudantes vêem factores de exclusão, os mais velhos descobrem mecanismos de responsabilização, que valorizam a aprendizagem.

Os representantes das associações de pais e de professores respiraram ontem de alívio com a aprovação do novo Estatuto do Aluno, que vem substituir a versão em vigor desde 2008. Agrada-lhes o reforço da autoridade dos docentes e dos directores, a valorização da aprendizagem, a agilização das medidas disciplinares e a responsabilização dos estudantes. Já estes vêem as mesmas alterações ao documento de uma perspectiva diferente. E consideram que, com a aprovação do novo estatuto pela Assembleia da República, ontem, “se deu mais um passo para afastar os alunos da escola”.

“Quer um exemplo? O novo estatuto prevê que os alunos tenham de pagar o material que estragam. Isto é pedagógico? Não é. Se um aluno partir um vidro e for obrigado a pagá-lo, no dia seguinte parte outro e dois dias depois outro ainda. Porque a obrigação da escola não é castigá-lo, mas explicar-lhe por que é que não deve andar a partir vidros”, comentava ontem, indignado, Luís Encarnação, estudante.

“Ganho civilizacional”

Luís não conhecia ainda a versão definitiva do documento que acabara de ser aprovado com votos favoráveis do PS e do CDS-PP e contra dos restantes partidos. O facto de ser porta-voz da Associação de Estudantes da Escola Secundária Gil Vicente, em Lisboa – que, por sua vez, é co-representante da Delegação Nacional de Associações de Estudantes do Básico e do Secundário -, obrigara-o, contudo, a manter-se a par das novidades. “O objectivo parece ser afastar os alunos das escolas”, lamentou.

Mais um exemplo: Luís Encarnação concorda com a distinção entre faltas justificadas e injustificadas mas não aceita que, ultrapassado o limite, o aluno seja sujeito “a um único plano individual de trabalho e não a todos quantos necessitar”. Também contesta a possibilidade de suspensão por um dia dos estudantes sem abertura de processo disciplinar, em situações excepcionais, um “factor de exclusão” que diz ser “contraditório” com os deveres da escola de “educar e integrar”.

Do ponto de vista dos pais, as mesmas medidas, precisamente, são positivas. “Globalmente, o novo estatuto representa um ganho civilizacional: ao responsabilizar alunos e pais valoriza-se a escola e a aprendizagem e acaba-se com o sentimento de impunidade que começava a instalar-se entre os estudantes”, elogiou ontem Albino Almeida, da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap).  Público

+Ler notícia: http://www.publico.pt/Educação/novo-estatuto-nao-agrada-aos-alunos-mas-e-bem-recebido-por-pais-e-professores_1448406

Aproveitam o Verão para escolher o futuro na Universidade

Meio milhar de alunos do ensino Preparatório e Secundário entraram, ontem, na universidade pela porta da Academia de Verão, no caso de Aveiro, e Verão no Campus, no Minho, onde vão “aprender brincando” até ao próximo dia 23.

As instituições do ensino superior aproveitam parte das “férias grandes” para antecipadamente atraírem alunos, que podem de um dia para o outro encontrar o curso certo. Todos ganham, até os cofres universitários. Uma semana custa 150 euros (Aveiro) e 100 euros (Minho), valor que inclui actividades, alojamento nas residências do campus e alimentação nas cantinas.

Em Aveiro, as candidaturas (207) ultrapassaram as vagas (180). Estudantes de 91 escolas de 17 distritos “aterraram” no campus. A maioria (155) são do Secundário, convidados a explorar nas áreas científicas de Biologia, Design, Novas Tecnologias da Informação, Química, Electrónica, Telecomunicações e Informática.

Em Braga e Guimarães, 300 estudantes de cinco distritos dividem-se pelas Ciências da Saúde e Sociais, Economia e Gestão, Educação, Engenharia, Letras, Psicologia e Rádio. A organização minhota permite a frequência por módulos, daí a existência ainda de vagas, o que não acontece em Aveiro. JN Online

+Ler notícia: http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Nacional/Interior.aspx?content_id=1616905

Vigilância electrónica para delinquentes jovens

A Comissão de revisão da Lei Tutelar Educativa defende a aplicação da vigilância eletrónica aos jovens delinquentes enquanto medida cautelar, Leonor Furtado (Directora Geral de Reinserção Social) adiantou que vai entregar até terça-feira ao Ministro da Justiça o relatório final da reforma legislativa, depois de a comissão ter concluído o seu trabalho a 31 de Maio. Segundo a responsável, a comissão “aprovou e propõe a aplicação da vigilância eletrónica, em algumas circunstâncias, aos jovens, designadamente no acompanhamento com supervisão intensiva e, eventualmente, como medida de cautelar”.

O grupo de trabalho recomendou também uma maior aposta na formação, designadamente de magistrados e técnicos. A revisão da Lei Tutelar Educativa prevê, de acordo com Leonor Furtado, mais duas “medidas de responsabilização” para os jovens delinquentes: a frequência de um “centro de dia” e o internamento terapêutico. Jornal Público

+Ler notícia: http://www.publico.pt/Sociedade/vigilancia-electronica-para-delinquentes-jovens_1441172

Piquenique Inter-geracional Dianova

Celebrou-se a 29 de Maio na Quinta das Lapas, sede da Dianova, o «Piquenique Inter-geracional», evento no âmbito do Projecto «Aventura Emotiva 3G» sob orientação de Gaby Cortez, estagiária acolhida no âmbito do Mestrado em Psicologia Organizacional ao abrigo de um Protocolo com as Universidades de Barcelona e de Coimbra e a Dianova. 

O objectivo do trabalho desenvolvido por Gaby Cortez foi a formulação de indicadores de proximidade Inter-geracional e o desenvolvimento de actividades formativas de promoção das relações inter-geracionais. Após a avaliação de comportamentos entre três gerações em dois Grupos de Trabalho/Focus Groups distintos envolvendo Avós, Filhos e Netos, o estudo empírico culminou com um alegre e divertido Piquenique onde estiveram presentes 25 participantes representantes das três Gerações referidas (3G).

 

Os participantes eram provenientes de ambientes e classes sociais distintas, tendo estabelecido relações de amizade e respeito muito rapidamente, partilhando experiências, histórias e sorrisos.

O evento consistiu no acolhimento dos participantes às 9 horas da manhã, seguido de uma dinâmica de grupo que permitiu que todos se conhecessem melhor. A juventude de uma sénior de 100 anos de idade foi contagiante, transmitindo a todos os presentes que a idade é um mero estado de espírito. Após um pequeno lanche seguiu-se o passeio pelo Parque Florestal, onde em pares de gerações distintas, novas histórias se ouviram.

 

Chegados a um dos pontos-chave do percurso, registou-se o momento numa animada fotografia de grupo e houve a oportunidade de integrar os convidados nos projectos futuros da Dianova, acolhendo as sugestões de novas actividades dirigidas às três gerações: acampamentos, agricultura biológica e hortas pedagógicas sugeriram os mais novos; observação da natureza e ornitologia propuseram os da geração dos Pais; e os representantes dos Avós preocuparam-se com as dificuldades de locomoção, sugerindo trilhos acessíveis a todos.

Os participantes avaliaram o evento, tendo sido o balanço extremamente positivo conforme evidenciam os testemunhos escritos e as fotografias das actividades.

 

A Dianova agradece à

  • à Comunidade Terapêutica pelos materiais e mão-de-obra cedidos;
  • à Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras pela disponibilização do transporte e dos seus utentes;
  • à Fátima Gama pelo trabalho exímio, exemplar e comovente que desenvolve com os seniores do Lar da Santa Casa, permitindo-lhes viver a vida com mais qualidade, carinho e afecto;
  • ao Engenheiro Campos de Andrada e à sua dedicação à causa que conheceu tão recentemente,  empenhando-se com profissionalismo e amizade;
  • à Diana Lodeiro pelo trabalho de voluntariado desenvolvido ao longo destes três meses, empenhando-se em todas as actividades sem esperar nada em troca;
  • à família Dôres, Marques e Amigos que redescobriram valores, partilharam afectos e ganharam alegrias;
  • a todos os participantes e voluntários, um grande Bem Hajam!

O estudo desenvolvido e os produtos finais do mesmo estarão disponíveis para consulta a partir de 1 de Julho de 2010 por parte de toda a comunidade no Centro de Conhecimento Dianova, integrado no Centro de Formação Dianova.

Jovens de Aveiro Viana e Viseu já bebem aos 14

Os jovens de Aveiro, Viana do Castelo e Viseu começam a beber álcool pouco depois dos 14 anos e a fumar quando ultrapassam os 15 anos, revela um estudo efectuado pelo Instituto Europeu para o Estudo dos Factores de Risco em Crianças e Adolescentes, EFREA. O estudo efectuado em 2007 e apresentado recentemente em Aveiro abrangeu um universo de 150 indivíduos, em cada uma das cidades, que frequentam a noite. Jornal de Notícias

+Ler notícia: http://www.mynetpress.pt/pdf/2010/junho/20100602207be6.pdf

Indústria do fumo busca cada vez mais as mulheres jovens, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu que a indústria tabagista tem concentrado seus esforços em conquistar mais consumidores do sexo feminino e nos países em desenvolvimento. Numa declaração divulgada a 31 de Maio por ocasião do Dia Mundial Sem Tabaco, a OMS disse que, em algumas economias emergentes, já há mais mulheres do que homens jovens que fumam regularmente.

Segundo a OMS, isso é uma realidade em países como Bulgária, Chile, Colômbia, Uruguai, Croácia, México, República Tcheca, Nigéria e Nova Zelândia. O fumo é a maior causa de mortes evitáveis do mundo, vitimando mais de cinco milhões de pessoas por ano. Dessas, em média 1,5 milhão são mulheres.

Jovens

A OMS estima que, atualmente, apenas 20% do total de fumadores no mundo são do sexo feminino. “Sabemos que a publicidade ao tabaco cada vez mais se direciona às mulheres jovens”, disse o director-geral assistente para doenças não contagiosas e saúde mental da OMS, Ala Alwan. A indústria tabagista, de acordo com a entidade, procura difundir a imagem de que consumir cigarro é elegante e está na moda.

+Ler notícia: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,industria-do-fumo-busca-cada-vez-mais-as-mulheres-jovens-diz-oms,559586,0.htm

Mais de 2.000 crianças vítimas de negligência

Mais de 2 mil crianças e jovens foram alvo de negligência e abandono no segundo semestre de 2009, segundo dados da Acção de Saúde divulgados à TSF neste Dia Mundial da Criança.

A negligência, incluindo o abandono, está no topo dos maus tratos entre as crianças e jovens sinalizados pela Acção de Saúde para Crianças e Jovens em Risco.

Ao todo, entre Julho e Dezembro do ano passado, foram registados 2.815 casos, o que corresponde 72%.

Bem mais abaixo, nos 12% estão os maus tratos psicológicos, depois os maus tratos físicos e finalmente, em 7 por cento dos casos os abusos sexuais.

A jornalista da TSF, Cristina Lai Men, sintetiza dados sobre casos de negligência e abandono em crianças e jovens. TSF

+Ler notícia: http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1583319

Juventude Alcoólica

Todos os que passaram  pela adolescência sabem que é uma época um bocado parva da vida. As certezas absolutas de tudo, a impaciência com os mais novos mais velhos e os da mesma  idade e a revolta de ainda não ser adulto para poder fazer o que muito bem quer são algumas das características de um  adolescente  típico. Aos 16 anos quase tudo é um problema sem solução à vista e os excessos tomam  conta do crescimento, sobretudo numa fase em que tudo é um exagero. Mas há descontrolos mais nocivos que outros. Um estudo da Deco revelou que mais de metade dos jovens entre os 12 e os 15 anos que tentaram comprar bebidas alcoólicas conseguiram fazê lo, apesar de a lei actual proibir a venda de bebidas alcoólicas a menores de 16 anos. Jornal Metro

+Ler notícia: http://www.mynetpress.pt/pdf/2010/maio/20100528206ccb.pdf

Cirrose já afecta jovens de 30 anos

Estão a aparecer jovens abaixo dos 30 anos com cirroses A revelação foi feita pelo presidente do Instituto da Droga e da Toxicodependência no dia em que entrou em vigor o Plano Nacional para a Redução dos Problemas do Álcool para vigorar até 2012.

 O plano que entra em vigor com vários meses de atraso pretende reduzir os consumos de álcool em Portugal em especial nos jovens mas duas das principais medidas propostas nesse sentido não vão para já avançar. Aumentar dos 16 para os 18 anos a idade legal para o consumo de bebidas alcoólicas e reduzir de 0,5 para 0,2 a taxa de alcoolemia para os jovens recém encartados são duas das medidas inscritas no plano ontem aprovado pelo Conselho Interministerial para os Problemas da Droga das Toxicodependências e do Uso Nocivo das Drogas – que não vão, pelo menos para já, sair do papel

Algumas metas do plano para 2012 – Atenção aos Jovens: baixar de 34,6% para 30% a prevalência de embriaguez entre os 15 e os 19 anos e reduzir de 48,3% para 40% a prevalência de bingedrinking nos jovens. Baixar de 9,6 para 8 Litros: reduzir de 20,7% em 2007 para 18% a prevalência de embriaguez na população e baixar de 9,6 litros em 2003 para 8 litros em 2012 o consumo anual per capita. Jornal de Notícias

+Ler notícia http://www.mynetpress.pt/pdf/2010/maio/201005272063f5.pdf

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 3.785 outros seguidores